Boeing 747-100

Em 1963 a Força Aérea Americana fez uma concorrência entre as fabricantes para um novo avião de grandes dimensões. A Boeing acabou perdendo a concorrência, mas usou o modelo para fabricar uma aeronaves que o presidente da Pan Am insistia que a Boeing fizesse. O problema era que os aeroportos estavam ficando saturados com o rápido aumento de voos e aeronaves e a Pan Am via a solução na construção de uma aeronave maior. A Pan Am entrou para a história como a companhia que mais influenciou o projeto de uma aeronave. Com medo que a aeronave não vendesse bem, a Boeing a projetou para ser facilmente adaptada para o transporte de cargas e assim ela continuaria a ser vendia mesmo que a demanda por passageiros diminuísse. O projeto inicial previa dois andares completos, como no A380, mas por problemas de evacuação dos passageiros o avião ficou somente com uma espécie de deck no segundo andar.
Em abril de 1966 a Boeing anunciou uma nova aeronave. Mas não era uma aeronave qualquer, se tratava do maior avião comercial já construído. Mais longo do que um 707 e meio, mais alto que qualquer outra aeronave e com dois andares, o Boeing 747 foi um marco na aviação comercial. A primeira versão foi o Boeing 747-100, lançada pela Pan Am com 25 unidades em abril de 1966. O B747 foi o primeiro avião com dois corredores ao invés de um, chamado de "Wide-Body" (fuselagem larga).
Uma outra versão lançada foi o Boeing 747-100SR (Short Range), feito especialmente para a JAL - Japan Airlines. Ele era tinha um tanque de combustível menor e menos alcance, mas podia carregar mais passageiros. Foi lançada também a versão 747-100B com opções para novos motores e maior peso de decolagem. A Boeing não construiu uma versão puramente cargueira, mas vários 747s da versão 100 foram convertidos em cargueiros.


Joe G. Walker

 

Modelo: Construídos: Acidentados:
B747-100 168 10
B747-100B 14 1
B747-SR 24 1
TOTAL: 206 12

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1970 - 1976
Comprimento:
70,66 m
Envergadura: 59,64 m
Altura: 19,33 m
Peso da aeronave: 162,4 toneladas
Peso máximo decolagem: 333 toneladas
Motores:
4x Pratt & Whitney JT9D-7A ou Rolls-Royce RB211-524B2 ou GE CF6-45A2
Capacidade de combustível: 183,3 mil litros
Velocidade de cruzeiro: 895 km/h (mach 0.84)
Velocidade máxima: 955 km/h (mach 0.89)
Altitude de Cruzeiro: 12,5 km (41 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 3,19 km
Alcance: 9800 km
Passageiros: 290 a 360
3 Classes: 366 a 416
2 Classes: 452 a 490
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 9 de fevereiro de 1969
Concorrentes: Douglas DC-10

Companhia Lançadora: Pan Am
Comparar com outras aeronaves
 

 

 

 

Boeing 747-SP

O Boeing 747-SP (Special Performace) foi uma versão de longo alcance do 747-100 à pedido da Pan Am. É uma versão encurtada do B747-100, mas capaz de voar mais longe. O modelo foi lançado pela Pan Am em 1976 e bateu o recorde, sendo o primeiro jato a voar sem escalas entre New York e Tokyo. Além disso a Pan Am também realizou um voo especial, dando a volta ao mundo em 48 horas com duas escalas.
O 747SP foi o avião com maior alcance até a chegada do Boeing 747-400. O SP também ficou sendo o concorrente direto do DC-10 e do Lockheed Tristar, por ser menor do que os outros 747s. Com o surgimento das novas versões do Boeing 747, a versão SP deixou de ser procurada, já que as novas versões eram mais econômicas.

Boeing 747SP-31 aircraft picture
Aris Pappas

Fabricados: 45
Acidentes:
2

 

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1976 - 1981
Comprimento:
56,31 m
Envergadura: 59,64 m
Altura: 19,33 m
Peso da aeronave: 152,7 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 304/204 toneladas
Motores: 4x Pratt & Whitney JT9D-7R4W ou Rolls-Royce RB211-524C2
Capacidade de combustível: 178,7 mil litros
Velocidade de cruzeiro: 990 km/h (mach 0.88)
Velocidade máxima: 1095 km/h (mach 0.92)
Altitude de Cruzeiro: 12,5 km (41 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 2,16 km
Alcance: 12325 km
Passageiros: 271 a 331
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 4 de julho de 1975
Concorrentes: DC-10, Lockheed Tristar
Companhia Lançadora: Pan Am
Comparar com outras aeronaves
 

 

 

Boeing 747-200

Em janeiro de 1971 voava o primeiro Boeing 747-200. A nova versão do 747, inicialmente conhecida como Boeing 747B, tinha motores novos e mais potentes, maior capacidade de combustível e maior alcance. A versão 200 era um pouco mais econômica que a versão 100, consumindo 16500 litros de combustível por hora de voo contra 17200 da versão 100.
Os primeiros Boeing 747-100 e 200 vinham com seis janelas no deck superior, pois a Boeing sugeria que as companhias instalassem somente um bar no segundo andar. Porém as companhias passaram a colocar assentos também no segundo andar e as versões mais recentes passaram a vir com dez janelas no deck.
Em novembro de 1971 a Boeing lançou a versão cargueira do Boeing 747, o Boeing 747-200F. Ele foi lançado pela Lufthansa e tinha um custo por milha voada 35% menor que o Boeing 707F. A novidade foi que a parte dianteira da aeronave se abria, permitindo a entrada de cargas grandes como elefantes e tanques de guerra. Outra versão, lançada em 1972, foi o Boeing 747-200B Combi ou Boeing 747-200M, onde parte da aeronave era para passageiros e parte para carga, lançada pela Air Canada. A última versão lançada foi o B747-200C, conversível para carga ou passageiros, lançada pela World Airways.
No Brasil o Boeing 747, conhecido como "Jumbo", foi operado pela Varig em 1981. A companhia havia escolhido o DC-10 ao invés do 747, pois ele era mais adequado à demanda do mercado brasileiro. Mas a Boeing ofereceu três Boeing 747-200 Combi que iriam para a Libyan Arav Airlines e a venda havia sido vetada por embargo comercial.

Operadoras no Brasil: Varig

 Boeing 747-2L5BM aircraft picture
 Frank C. Duarte Jr.

 

 Modelos: Construídos: Acidentados:
 B747-200B 253 16
 B747-200C 13 1
 B747-200F 127 13
 TOTAL: 394 30

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1971 - 1988
Comprimento:
70,66 m
Envergadura: 59,64 m
Altura: 19,33 m
Peso da aeronave: 174 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 374/255 toneladas
Motores:
4x Pratt & Whitney JT9D-7R4G2 ou Rolls-Royce RB211-524D4 ou GE CF6-50E2
Capacidade de combustível: 199,1 mil litros
Velocidade de cruzeiro: 895 km/h (mach 0.84)
Velocidade máxima: 955 km/h (mach 0.89)
Altitude de Cruzeiro: 12,5 km (41 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 3,19 km
Alcance: 12300 km
Passageiros: 300 a 380
3 Classes: 366 a 416
2 Classes: 452 a 524
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 11 de outubro de 1970
Concorrentes:
DC-10-30
Companhia Lançadora: KLM
Capacidade de carga (F): 90 toneladas
Comparar com outras aeronaves
 

 

 

 

Boeing 747-300

O que era imenso ficou maior. A Boeing pretendia lançar uma versão do 747 para mil passageiros, mas com a crise do petróleo, a nova versão não foi tão maior assim. Em 1983, nascia o Boeing 747-300. Lançado pela Swissair, a nova versão tinha o segundo andar sete metros mais longo do que as versões anteriores e motores mais modernos. Isso levou à um custo por passageiros transportado 25% menor e 10% a mais de passageiros. Como na versão 200, foi lançada a versão Combi, metade para passageiros e metade para carga. Também foi lançada a versão Short Range, onde a Japan Airlines quebrou recordes de passageiros com mais de seiscentos ocupantes no mesmo voo. Nenhuma versão cargueira pura foi construída, mas muitas unidades foram convertidas.
No Brasil o Boeing 747-300 foi a versão do 747 que a Varig operou em maior quantidade e também a última a ser aposentada. Em 1998 aconteceu o último voo de um Boeing 747 operado por uma companhia aérea brasileira.

Operadoras no Brasil: Varig

 

Construídos: 81
Acidentes: 6

 

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1983 - 1989
Comprimento:
70,66 m
Envergadura: 59,64 m
Altura: 19,33 m
Peso da aeronave: 178,1 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 374/260 toneladas
Motores:
4x Pratt & Whitney JT9D-7R4G2 ou Rolls-Royce RB211-524D4 ou GE CF6-80C2B1
Capacidade de combustível: 199,1 mil litros
Velocidade de cruzeiro: 910 km/h (mach 0.85)
Velocidade máxima: 955 km/h (mach 0.89)
Altitude de Cruzeiro: 12,5 km (41 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 3,32 km
Alcance: 12400 km
Passageiros: 300 a 400
3 Classes: 350 a 412
2 Classes: 389 a 522
1 Classe: 539 a 624
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 5 de outubro de 1982
Concorrentes:
DC-10-30/40
Companhia Lançadora: SwissAir
Comparar com outras aeronaves

 

 

 

Boeing 747-400

Uma nova versão do 747 foi anunciada em 1985. A nova versão tinha asas maiores e winglets, que reduzem o consumo de combustível. A cabine de comando foi totalmente redesenhada, permitindo que só dois tripulantes à operem ao invés de três nas versões anteriores. O consumo de combustível é 25% menor do que as versões anteriores e o peso foi reduzido com uso de compostos e ligas de alumínio.
O primeiro B747-400 foi entregue em janeiro de 1989 e entrou em operação em fevereiro pela Northwest Airlines. A segunda versão lançada foi a versão Combi ou 747-400M, lançada pela KLM em 1989. A próxima versão foi o Boeing 747-400D (Domestic), feita especialmente para o mercado japonês, essa versão substituía a SR (Short Range) das versões anteriores e foi lançada pela JAL. Em 1993 a versão totalmente cargueira, o Boeing 747-400F, foi lançada pela CargoLux.
A versão de longo alcance, o Boeing 747-400ER (Extended Range), foi lançado em novembro de 2000 e entrou em serviço em 2002 pela Qantas. O 747-400ER inclui até dois tanques extras de combustível, gerando um aumento do alcance de aproximadamente 805 km. Em 2001 foi lançada a versão cargueira, conhecida como Boeing 747-400ERF. A nova versão pode transportar mais peso que a versão 400F e entrou em serviço em 2002 pela Air France.
A Boeing ainda lançou o Boeing 747-400BCF (Boeing Converted Freighter), também conhecido como Boeing 747-400SF (Special Freighter), que é programa de conversão do Boeing 747-400 de passageiros para a versão cargueira, em 2005. Foi produzido também o "Dreamlifter" ou Boeing 747-400LCF (Large Cargo Freighter), feito especialmente para transportar as peças do Boeing 787.
Por mais de 40 anos, o Boeing 747 reinou absoluto como a maior aeronave comercial do mundo. Mas em 2008, entrou em operação o A380, desbancando o 747.

Operadoras no Brasil: Varig

 
 Ryan Syferd

 

 Modelo: Construídos: Ativos: Acidentados:
 B747-400 500 250 5
 B747-400F 126 115 3
 B747-400ER 6 6  
 B747-400ERF 40 35  
 B747-400LCF 4 4  
 B747-400D 19   1
 TOTAL: 695 410 9

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1989 - 2009
Comprimento:
70,66 m
Envergadura: 64,31 m
Altura: 19,4 m
Peso da aeronave: 181 toneladas / 183 toneladas (ER)
Peso máximo decolagem/pouso:
400: 363/260 toneladas
400ER: 412/260 toneladas
400F: 396/295 toneladas
Motores:
4x Pratt & Whitney PW4062 ou General Electric CF6-80C2B5F ou RR RB211-524G-T/H-T
Capacidade de combustível: 216,8 mil litros / 241,1 (ER)
Velocidade de cruzeiro: 913 km/h (mach 0.85)
Velocidade máxima: 988 km/h (mach 0.92)
Altitude de Cruzeiro: 12,5 km (41 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 3,01 km / 3,32 km (ER)
Alcance: 13450 km / 14205 km (ER)
Passageiros: 300 a 400
3 Classes: 352 a 416
2 Classes: 391 a 524
1 Classe: 539 a 624
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 29 de abril de 1988
Concorrentes:
DC-10, MD-11, Airbus A340-600, A380
Companhia Lançadora: NWA
Capacidade de carga: 123,650 toneladas
Comparar com outras aeronaves

 

 

 

 

Boeing 747-8

Com o A340-600, o Boeing 747 viu o surgimento do seu primeiro competidor direto: até então nenhum jato comercial tinha chegado tão perto do tamanho do "Jumbo". E a Airbus não parou por ai... A fabricante anunciou a construção do maior jato comercial do mundo, desbancando o Boeing 747, o Airbus A380. No inicio a Boeing não levou muita fé e respondeu anunciando novas versões do Boeing 747. Mas o
A380 começou a receber várias encomendas, enquanto a nova versão do 747 não recebeu nenhuma. As primeiras novas versões foram anunciadas em 1996: o Boeing 747-500 e Boeing 747-600. As duas seriam versões alongadas do Boeing 747, com novos motores, novas asas e tecnologias do Boeing 777. A versão 500 seria para 462 passageiros e a 600 para 548 em três classes. Haviam também um estudo para o Boeing 747-700 com até 650 passageiros. Porém nenhum deles receberam sequer uma encomenda, e enquanto isso a Airbus avançava com o projeto do A380 e recebia mais e mais encomendas. Então em 2000 a Boeing ofereceu ao mercado o Boeing 747X, uma nova versão mais modesta, para 500 passageiros, mas também não houve interesse de nenhuma companhia aérea. A Boeing então partiu para o Sonic Cruiser e depois para o Boeing 787.
No entanto, em 2005, a Boeing voltou seus olhos para o Boeing 747 e
com encomenda de dez unidades cargueiras, lançou o Boeing 747-8 como resposta ao Airbus A380. O Boeing 747-8 é menor que o A380, mas maior que o 747-400, transportando cerca de cinquenta passageiro a mais que a versão anterior. O novo Boeing 747-8 usa tecnologias do Boeing 787 e tem grande comunalidade com o Boeing 747-400. O 747-8 é 5,6 metros mais longo que a versão 400, desbancando o Airbus A340-600 como aeronave comercial mais longa do mundo. O 747-8 também é o jato comercial mais rápido da atualidade, voando até mach 0.86. Além do tamanho, as mudanças visuais são as asas e os novos motores, mais silenciosos, econômicos e menos poluidores. Para os passageiros as principais novidades são janelas maiores, mais espaço para bagagem de mão e diferentes combinações de iluminação. A Boeing também propõe espaços para ficar em pé durante o voo.
A versão de passageiros, conhecida como Boeing 747-8I (Intercontinental) só recebeu encomenda em fevereiro de 2009, da Lufthansa, que permaneceu como única cliente da versão de passageiros até dezembro de 2009. A versão mais popular do 747-8 é a versão cargueira, conhecida como Boeing 747-8F. Até 2010 a versão cargueira tinha mais de 70% das encomendas. O segundo andar é mais curto do que na versão de passageiros e transporta 16% mais carga com 17% menos custo por tonelada que a versão 400.
Em novembro de 2008 a Boeing anunciou um atraso no programa do 747-8 devido à alterações no projeto e greve dos trabalhadores.
Finalmente a primeira unidade foi entregue em 12 de outubro de 2011 para a
Cargolux. No dia 26 de abril de 2012 aconteceu a primeira entrega do Boeing 747-8I para a Lufthansa.
Apesar dos esforços da Boeing, o Boeing 747-8 até o momento encontrou poucos compradores. As companhias aéreas têm preferido o Boeing 777 ou o Airbus A350, que são mais econômicos. Com tão poucos compradores, a produção do Boeing 747-8 corre o risco de ser encerrada em pouco tempo.

 

 Boeing
 

 

 Modelo: Construídos: Ativos: Encomendas: Acidentes:
 Boeing 747-8I 42 38 5 0
 Boeing 747-8F 70 69 40 0
 TOTAL: 112 107 45 0

Origem: Estados Unidos
Produzido: 2011-hoje
Comprimento:
76,3 m
Envergadura: 68,5 m
Altura: 19,4 m
Peso da aeronave: 214 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 442/309 toneladas
Motores:
4x General Electric GEnx-2B67 
Capacidade de combustível: 242,4 mil litros / 229,8 (F)
Velocidade de cruzeiro: 917 km/h (mach 0.86)
Velocidade máxima: 988 km/h (mach 0.92)
Altitude de Cruzeiro: 13 km (43 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 3,09 km
Alcance: 14815 km / 8130 km (F)
Passageiros: 350 a 450
3 Classes: 386 a 467
2 Classes: 432 a 581
1 Classe: 597 a 691
Largura da cabine de passageiros: 6,13 metros
Disposição de assentos (classe econômica):
3+4+3
Primeiro voo: 8 de fevereiro de 2010
Concorrentes:
Airbus A380
Companhia Lançadora: Cargolux
Capacidade de carga: 133,9  toneladas
Comparar com outras aeronaves

 

atualizado em dezembro de 2016

Aviação Comercial