McDonnell Douglas DC-10-10 / DC-10-15

A história do DC-10 começa na década de 60, quando a Douglas perdeu uma concorrência para a construção de um novo cargueiro para a Força Aérea Americana. Em 1966 a American Airlines pediu para Douglas um avião similar, porém menor do que o 747 e capaz de voar longas distâncias.
Em 1967 a Douglas se fundiu com a McDonnell Aircraft Corporation, passando a se chamar McDonnell Douglas. Apesar disso, o nome da aeronave foi mantido como DC-10.
A primeira versão foi o Douglas DC-10-10, projetado para rotas domésticas nos EUA. A American lançou o DC-10-10 em agosto de 1971, na rota Los Angeles - Chicago.
O DC-10 foi lançado juntamente com o Lockheed L-1011 Tristar, o seu concorrente direto, o que causou uma grande disputa por compradores. O DC10 se destacou pelo luxo e espaço na cabine, motores melhores, aerodinâmica e aviônica de controle de voo.
Além da versão de passageiros foi também criada a versão conversível para carga ou passageiros, o DC10-10CF. O primeiro foi entregue em 1973.
A próxima versão foi o DC-10-15, desenvolvida para a AeroMexico e para a Mexicana. Ele era capaz de operar com pesos máximos em aeroportos quentes e de grande altitude, graças aos seus motores mais potentes.
A Douglas propôs uma versão conhecida como DC-10-20, com o motor Pratt & Whitney JT9D turbofans. Porém as empresas aéreas não demonstraram muito interesse. A única que pensou em encomendar foi a Northwest Airlines, mas ela acabou preferindo o projeto do DC-10-40. Então essa versão nunca foi produzida.
O DC-10-50 foi uma proposta feira para British Airways, um DC-10 equipado com motores Rolls-Royce RB211-524. Mas não houve nenhuma encomenda e o modelo nunca foi produzido.

 



 

DC-10-10/DC-10-15

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1971 - 1990
Comprimento:
55,55 m
Envergadura: 47,34 m
Altura: 17,70 m
Peso da aeronave: 108,9 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 195/164 toneladas
Capacidade de combustível: 82,3/100,8 mil litros
Motores:
DC-10-10: 3x
GE CF6-6D
DC-10-15: 3x
GE CF6-50C2F
Velocidade de cruzeiro:
908 km/h (mach 0.82)
Velocidade máxima:
982 km/h (mach 0.88)
Altitude de Cruzeiro: 6,8 km
Alcance: 6112/7010 km
Passageiros:
250 a 380
Tripulação: 15

Primeiro voo: 1970

Concorrentes:
Tristar
Companhia Lançadora: American Airlines

 
Modelo: Construídos: Acidentes:
DC-10-10 131 9
DC-10-15 7 0

 

 

 

 

 

McDonnell Douglas  DC-10-30 / Boeing MD-10

O DC-10-30 foi o mais popular dos DC-10. Inicialmente ele iria competir diretamente com o Boeing 747 e teria dois andares completos (parecido com o A380). Porém o projeto foi abandonado. O substituto do DC-8 e novo jato intercontinental da empresa foi o DC-10-30. Para ter um alcance maior, foram instalados novos tanques de combustível e asas maiores. Uma das principais diferenças visíveis entre os modelos é que a série 10 tem três conjuntos de trem de pouso (uma na frente e dois principais) e as séries 30 e 40 têm quatro (um na frente, três principais). O trem de pouso principal foi colocado por causa do maior peso. As primeira operadoras do modelo foram a KLM e a SwissAir.
Outras versões do DC-10-30 foram feitas: o DC-10-30CF conversível para carga ou passageiros, o DC-10-30ER (Extendend Range) com maior alcance e o DC-10-30AF (All Freight) versão totalmente cargueira. A versão ER foi inaugurada pela Finnair e a AF pela FedEx. O DC-10-30 foi produzido até 1988, dando lugar ao seu sucessor MD-11.
Com a compra da McDonnel Douglas pela Boeing em 1997, surgiu uma nova versão do DC-10. A FedEx e a Boeing modernizaram a cabine do piloto, dispensando a necessidade de um engenheiro de voo. Assim um piloto do MD-11 poderia pilotar o DC-10 sem problemas. Esse DC-10 "melhorado" ficou conhecido como MD-10 ou Boeing MD-10.
No Brasil o DC-10 fez grande sucesso nas décadas de 70 e 80, pois foi escolhido como principal jato para voos internacionais da Varig. O primeiro DC-10-30 da Varig chegou no Brasil em maio de 1974 e foi o primeiro jato wide-body do país. Eles substituíram os Boeing 707 e se tornaram a principal aeronave para voos de longa distância na década de 70. Nos anos 80 eles dividiram o espaço com os Boeing 747 e nos anos 90 foram substituídos pelos MD-11.

Operadoras no Brasil: Varig, Varig Cargo, Varig Log, Vasp, Vaspex, MTA, BrasMex, SkyJet


 


 

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1972 - 1989
Comprimento:
55,55 m
Envergadura: 50,42 m
Altura: 17,70 m
Peso da aeronave: 120,7 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 259/182 toneladas
Capacidade de combustível: 138,7 mil litros
Motores:
3x GE CF6-50C
Velocidade de cruzeiro: 965 km/h
Velocidade máxima:
982 km/h (mach 0.88)
Altitude de Cruzeiro: 12,8 km (42 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 2,84 km
Alcance: 10010 km
Passageiros:
250 a 380
Tripulação: 15

Primeiro voo: 1972
Concorrentes: Lockheed Tristar, Boeing 747
Comparar com outras aeronaves

Construídos: 206
Acidentes: 21

 

 

 

McDonnell Douglas DC-10-40

Baseado na versão DC-10-20, o DC-10-40 possui motores Pratt & Whitney JT9. O DC-10-40 foi feito por um pedido da Northwest. Apesar de ser baseado na versão 20, a versão 40 apresentava melhorias em relação a versão anterior. As únicas empresa que operaram esse modelo foram a JAL e Northwest Orient Airlines. O DC-10-40 deixou de ser fabricado em 1983.
 



 

Origem: Estados Unidos
Comprimento: 55,50 m
Envergadura: 50,42 m
Altura: 17,70 m
Peso da aeronave: 122,5 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso: 251/182 toneladas
Capacidade de combustível: 138,7 mil litros
Motores:
3x PW JT9D-59A
Velocidade de cruzeiro: 965 km/h
Velocidade máxima:
982 km/h (mach 0.88)
Altitude de Cruzeiro: 12,8 km (42 mil ft)
Pista mínima para decolagem: 2,84 km
Alcance: 9265 km
Passageiros:
250 a 380
Tripulação: 15

Primeiro voo: 1972

Concorrentes:
Tristar, Boeing 747

Construídos: 42
Acidentes: 1

 

 

Aviação Comercial