Douglas DC-8-10 / DC-8-20 / DC-8-30 / DC-8-40 / DC-8-50

O primeiro avião comercial a jato do mundo foi o De Havilland Comet, em 1949. Porém uma série de acidentes com essa aeronave levaram as pessoas a não confiarem em aviões a jato. Posteriormente foi descoberto que os problemas não tinham nada haver com os motores e sim com a estrutura de metal da aeronave. Mas mesmo com o lançamento do Comet, a Douglas não tinha pressa em construir um jato. Para ela o mercado ia passar bem lentamente do turbo-hélice para os motores a jato. A Douglas estava estudando motores turbo-hélice mais econômicos e eficientes, assim como as fabricantes Lockheed e a Convair. Na direção oposta, a Boeing se arriscou lançando o seu jato puro com a experiência adquirida nos aviões militares para a Segunda Guerra Mundial. Em julho de 1954 voava o primeiro Boeing 707, um avião a jato fabricado pela Boeing - até então uma fabricante pouco conhecida - e se tornou um sucesso de vendas. A Douglas, maior fabricante do mundo, não podia deixar por menos e respondeu lançando o seu primeiro jato: o DC-8. A grande desvantagem do DC-8 foi o fato dele ter sido lançado quatro anos depois do Boeing 707. Apesar de ter perdido o posto de maior fabricante de aviões comerciais do mundo para a Boeing, o DC-8 se mostrou um grande concorrente para o B707 e manteve a Douglas num lugar de destaque no cenário da aviação comercial.
O DC-8 foi oficialmente anunciado em julho de 1955 e foi uma das primeiras aeronaves a utilizar titânio em sua estrutura, para garantir maior segurança. Além disso foi o primeiro avião comercial a romper a barreira do som, em um dos testes. A primeira encomenda veio da Pan Am, em outubro de 1955. A Pan Am, que havia ajudado na construção do Boeing 707, encomendou mais DC-8 do que Boeing 707. O principal motivo era que o DC-8 era mais largo e por isso mais espaçoso. A Boeing depois lançou uma nova versão mais larga do 707.
A primeira versão foi o DC-8-10, também conhecido como DC-8A. Essa versão foi principalmente usada para voos domésticos dentro dos EUA por companhias americanas. A versão 10 teve duas subversões: a inicial DC-8-11 e o DC-8-12 com maior peso de decolagem.
Em novembro de 1958 voou pela primeira vez o DC-8-20, inicialmente conhecido como DC-8B. Essa versão tinha motores mais potentes e maior peso de decolagem em relação a versão 10.
Em fevereiro de 1959 foi lançado o DC-8-30, a versão intercontinental. O DC-8-30 tinha novos motores, maior peso de decolagem, maior capacidade de combustível e podia voar mais longe, podendo realizar voos intercontinentais.
Ele teve três subversões: DC-8-31, DC-8-32 e DC-8-33, cada um com melhorias e maiores pesos de decolagem em relação aos anteriores.
Em julho de 1959 voou o primeiro DC-8-40. Essa versão possuía novos motores, mais eficientes e menos barulhentos. Também teve três subversões DC-8-41, DC-8-42 e DC-8-43.
Em dezembro de 1960 decolava o primeiro DC-8-50, a última versão da primeira geração do DC-8. Graças aos novos motores, o DC-8-50 podia transportar mais passageiros e mais carga do que as versões anteriores. O DC-8-50 foi a primeira versão do DC-8 a ter uma versão totalmente cargueira, conhecida como DC-8-55F. A série 50 teve as subversões DC-8-51, DC-8-52 e DC-8-53, DC-8-54 e DC-8-55.
No Brasil a
Panair havia escolhido o Comet em 1953, mas acabou cancelando a encomenda. Em 1958 escolheu o DC-8-33 e os dois primeiros foram entregues em março de 1961, depois complementados por mais dois. Eles passaram a ser a principal aeronave da empresa para voos internacionais, mas um deles foi perdido num acidente no Rio de Janeiro. Em 1965, após o fim da Panair, dois DC-8 foram repassados para a Varig e o outro foi devolvido para a Pan Am. Na Varig eles foram usados em voos para Europa e depois para África, EUA e América do Sul. Em 1967 um dos DC-8 sofreu um acidente em Monróvia e a frota foi reduzida para apenas uma aeronave, que permaneceu operando na Varig até 1978.

Operadoras no Brasil: Varig, Panair do Brasil, TCB

 

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1959 - 1967
Comprimento: 45,87 m
Envergadura: 43,41 m
Altura: 13,21 m
Peso da aeronave: 60 toneladas
Peso máximo decolagem/pouso:
DC-8-10: 123/87
DC-8-20:
125/87
DC-8-31/41:
136
DC-8-32/42:
140,6
DC-8-33/43/53:
142,8/93
DC-8-51:
125,2
DC-8-52:
136,1
DC-8-55:
147,4
Velocidade de cruzeiro: 840 km/h (mach 0.79)

Velocidade máxima: 965 km/h (mach 0.91)
Altitude máxima de voo: 10,6 km
Passageiros: 118 a 177 / 128 a 189
Tripulação: 9 a 10
Primeiro voo: 1958

Concorrentes: Boeing 707

Companhias Lançadoras: United e Delta
Comparar com outras aeronaves

Modelo: DC-8-10 DC-8-20 DC-8-30 DC-8-40 DC-8-50

Motores: (4x)

Pratt & Whitney JT3C-6 Pratt & Whitney JT4A-3 Pratt & Whitney JT4A-9 ou 10 ou 11 Rolls-Royce Conway 509 Pratt & Whitney JT3D-3B

Capacidade de combustível: (mil litros)

66,4 66,4 88,5 88,5 88,5

Pista mínima para decolagem: (km)

2,9 2,1 2,9 2,7 2,8

Alcance: (km)

6963-7532 7500-8195 7417-9723 9834-10936 10843-12130

 

Modelo: Construídos: Acidentes:
DC-8-10 2 2
DC-8-20 49 2
DC-8-30 52 10
DC-8-40 29 7
DC-8-50 162 28
TOTAL: 294 49

 

 

 

Douglas DC-8-60

Em abril de 1965 a Douglas anunciou a nova geração do DC-8. Os "Super Sixties" (Super Sessenta) eram mais compridos e vinham com melhorias em relação aos DC-8 anteriores. Os DC-8-60s se tornaram os maiores jatos da época até o lançamento do Boeing 747. A primeira versão foi o DC-8-61, com 11 metros a mais na fuselagem e melhorias aerodinâmicas. A companhia lançadora foi a United, em fevereiro de 1967. A versão também ganhou uma puramente cargueira, conhecida como DC-8-61F e a conversível para passageiro ou carga, DC-8-61CF.
Já o DC-8-62 era menor que o DC-8-61 e 63 e 2 metros maior que os DC-8 anteriores. A grande vantagem do DC-8-62 era o seu grande alcance graça aos novos motores e maior capacidade de combustível. A companhia lançadora foi a SAS em maio de 1967. A aeronave era escolhida principalmente para voos de longa distância por causa da sua grande autonomia. Assim como o DC-8-61, o DC-8-62 também ganhou as versões DC-8-62F e DC-8-62CF.
A última versão foi o DC-8-63: igual ao DC-8-61, mas com motores mais potentes. O DC-8-63 também teve as versões DC-8-63F e DC-8-63CF. A companhia lançadora foi a KLM em julho de 1967. Os DC-8 deixaram de ser produzidos em 1972 com a entrada em serviço do DC-10.

Operadores no Brasil: SkyMaster, Beta Cargo, Air Vias, Digex Cargo

 


DC-8-61e63/DC-8-62

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1966 - 1972
Comprimento: 57,10/45,98 m
Envergadura: 43,41/45,24 m
Altura: 13,21/13,23 m

Velocidade de cruzeiro: 840 Km/h (mach 0.79)
Velocidade máxima: 965 Km/h (mach 0.91)
Alcance: 9408 a 11279/12230 km
Passageiros: 180 a 259 / 134 a 189
Tripulação: 10/9
Primeiro voo: 1961

Concorrentes:
Boeing 707, Convair 880, Convair 990
Comparar com outras aeronaves

 

 Modelo: Construídos: Acidentes:
 DC-8-61 35 7
 DC-8-62 60 12
 DC-8-63 57 15
 TOTAL: 152 34

 

Modelo: DC-8-61 DC-8-62 DC-8-63
Peso da aeronave (toneladas): 68,9 64,9 72,0
Peso máximo decolagem/pouso (toneladas): 147/108 158/108 161/117
Capacidade de combustível (milhares de litros): 88,5 91,8 91,8
Motores (4x): PW JT3D-3B PW JT3D-3B PW JT3D-7

 

 

 

Douglas DC-8-70

No inicio dos anos 70 muitas companhias aéreas pediram para a Douglas diminuir o ruído dos motores dos DC-8.  Mas a Douglas não estava muito interessada. Entretanto os DC-8-60s correram o risco de serem proibidos de voar em alguns países por causa do ruído e então a Douglas resolveu se mexer.
No final da década, os DC-8 da série 60 foram remotorizados. Com os novos motores, as aeronaves reduziram em até 23% o consumo de combustível e emitiam menos barulho.
Assim o DC-8-61 virou o DC-8-71, o DC-8-62 virou o DC-8-72 e o DC-8-63 virou o DC-8-73.
Essa foi a última versão do DC-8 e com a acirrada briga com o Boeing 707, o DC-8 perdeu a disputa. Os Boeings 707 venderam quase o dobro dos DC-8, fazendo da Boeing a nova maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo.

Operadoras no Brasil: Beta Cargo
 

 

DC-8-71e73/DC-8-72

Origem: Estados Unidos
Comprimento: 57,10/47,90 m
Envergadura: 43,41/45,23 m
Altura: 13,21 m

Motores:
4x PW R-2800-CA15
Velocidade de cruzeiro: 840 Km/h (mach 0.79)
Velocidade máxima: 965 Km/h (mach 0.91)

Passageiros:
180 a 259 / 134 a 189
Tripulação: 10/9
Primeiro voo: 1981

Concorrentes:
Boeing 707, Convair 880, Convair 990
Alcance: 11538 a 12964/14223 km
Comparar com outras aeronaves

 
Modelo: Construídos: Acidentes:
DC-8-71 53 3
DC-8-72 14 0
DC-8-73 50 0
TOTAL: 110 3

 
Modelo: DC-8-71 DC-8-72 DC-8-73
Peso da aeronave (toneladas): 74,2 69,4 75,3
Peso máximo decolagem/pouso (toneladas): 147/108 158/108 161/117
Capacidade de combustível (milhares litros): 88,5 91,8 91,8

 

Aviação Comercial