Boeing 717-200

Além do MD-90, a McDonnell Douglas estudava uma nova versão menor conhecida como MD-95. Quando a companhia foi comprada pela Boeing o projeto foi continuado, mas ao invés de MD-95 o modelo foi rebatizado de Boeing 717-200. A primeira entrega foi para a Air Tan Airways em outubro de 1999. O 717 foi o menor de todos os jatos Boeing. A intenção da Boeing era que as companhias substituíssem os modelos mais antigos como os DC9, MD80/90, B737-200, BAC 1-11 e Fokker F28. O painel de controle da cabine de comando possui a mesma tecnologia utilizada no 777. O Boeing 717 é a única aeronave a possuir certificação para sair de ré dos terminais usando seus próprios reversores.
Porém as vendas do Boeing 717 não foram como o esperado. Além de concorrer com aeronaves como o Fokker 100, o B717 ainda encontrou concorrentes como o CRJ-900, E-190/195, aeronaves mais modernas e econômicas. E como se não bastasse a Airbus, sua principal rival, lançou o A318. O 717 não era feito "do zero", era um aperfeiçoamento das versões do MD-90 e MD-80, que já eram derivadas do DC-9, projetado na década de 60. Já os E-Jets eram feitos "do zero" e o A318 vinha do A320, do final da década de 80. Com poucas vendas, a Boeing encerrou a produção do Boeing 717-200 em 2006.
 

Richard Silagi

 

Construídos: 156
Ativos:
149
Acidentados:
0
 

Origem: Estados Unidos
Produzido: 1999 - 2006
Comprimento:
37,81 m
Envergadura: 28,45 m
Altura: 8,92 m
Peso máximo de decolagem: 49,8 ou 54,8 toneladas

Motores:
2x RR BR715
Velocidade de cruzeiro:
817 km/h (mach 0.77)
Passageiros: 106 a 119
Primeiro voo: 1998
Entregues: 1
56
Alcance: 2645 ou
3815 km
Concorrentes: Airbus A318, E-190/195, CRJ-900, Fokker 100
Companhia Lançadora: AirTran Airways
Comparar com outras aeronaves

 

 

 Aeronaves Boeing:

Boeing 707, Boeing 727, Boeing 737, Boeing 747, Boeing 757, Boeing 767, Boeing 777, Boeing 787

 

atualizado em 2014

Aviação Comercial