Frota - Vasp

 

> Frota/Ano:

E
Aeronave 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939 1946 1950
VASP
DC-3               4 13
DH-84   1 1 1 1 1 1    
Junkers JU-52/53       2 2 3 4 6  
Monospar ST4 1 1 1 1 1 1 1    
Saab 90                 1
TOTAL: 1 2 2 4 4 5 6 10 14

 

E

Aeronave

1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965

VASP

Curtiss C-46                         14 13
DC-3 13 30 26 16 15 15 15 15 15 15 21 21 15 14
DC-4                         8 8
DC-6                           4
Viscount 700                       10 10 9
Viscount 800                 5 5 5 5 5 5
Saab 90 6 6 6 5 7 9 9 17 16 15 15 14 14 9
TOTAL: 19 36 32 21 22 24 24 32 36 35 41 50 66 62

 

E

Aeronave

1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978

VASP

Boeing 727-200                       2 2
Boeing 737-200       5 5 5 6 6 17 19 22 21 19
Boeing 737-200F                 1 1 1 2 2
Curtiss C-46 10 8 12 1                  
DC-3 13 12 14 12 10 10 8 4          
DC-4 8 8 8 4                  
DC-6 4 4 4 4 4 4 4 4 4 4      
EMB-110               3 9 9 9    
Viscount 700 9 10 8 2 2                
Viscount 800 5 5 5 4 4 4 3 3 3        
YS-11       8 7 6 5 3 2 2 2    
BAC 1-11-400     1 2 2 2 2 2          
Saab 90 9 9 2 2                  
TOTAL: 58 56 54 44 34 31 28 25 36 35 34 25 23

 

E

Aeronave

1979

1980

1981

1982

1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992

VASP

Airbus A300B2

      2 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3
Boeing 727-200 2 8 8 6 6 4 1 2 2 2        
Boeing 737-200 20 19 19 17 18 19 22 20 20 19 19 19 24 23
Boeing 737-200F 2 2 2 3 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2

Boeing 737-300

              3 6 6 8 10 20 16
Boeing 737-400                         3 3
DC-8-71F                         3 3
DC-10-30                         3 3
MD-11                           2
TOTAL: 24 29 29 28 29 28 28 30 33 32 32 34 58 55

 

E

Aeronave

1993 1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

2001 2002 2003 2004 2005

VASP

Airbus A300B2

3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3 3
Boeing 737-200 21 21 19 19 19 20 20 20 20 19 19 19 19

Boeing 737-300

2 2 2 2 2 7 4 4 4 4 4 4 4

MD-11

4 4 4 9 9 8              
TOTAL: 30 30 28 33 34 38 27 27 27 26 26 26 26

VASPEX

Boeing 727-200F

      2 2 4 2 2 2 2 2 2 2

Boeing 737-200F

2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2
DC-10-30F         1                
TOTAL: 2 2 2 4 5 6 4 4 4 4 4 4 4

Grupo VASP

TOTAL

32 32

30

37

38

44

31

31

31 30 30 30 30

 

E

VASP AIR SYSTEM

LAB

Aeronave

1995

1996-2000

2001-2002 2003-2004 2005 2009

Airbus A310-300

1 1 2 1    
Boeing 727-100 6 6 3 3 3  

Boeing 727-200

3 3 5 5 6 5
Boeing 737-300   1 1 2 1  
Boeing 767-300ER       1 2  

Fokker 27

1 1 1 1 1  
TOTAL: 11 12 12 13 13 5

ECUATORIANA

 

Aeronave

1996

1997

1998

1999

2000

2004 2009

Airbus A310-300

  1 1 1      

Boeing 727-200

1 2 3 2   1*  
Douglas DC-10-30 1 1 1 1      
TOTAL: 2 4 5 4 - 1 -

TAN

 

Aeronave

1995

1997

1999-2000

2001

Rockwell 690B

2      

Fairchild Metro III

3 2 1  
Saab SF-340 2 2 2  
Turbo Comander   2    
TOTAL: 2 4 3 -

* Arrendado da LAB.

 

 

 

> Histórico da frota:

Monospar ST4
1933-década de 40

O Monospar foi o primeiro avião da Vasp. Dois deles já haviam sido comprados antes mesmo da empresa existir oficialmente. Com eles a companhia realizou os seus dois primeiros voos, do aeroporto Campo de Marte (em São Paulo) para Ribeirão Preto e Uberaba e de Campo de Marte para São Carlos e Rio Preto. Os Monospar foram batizados de "Bartolomeu de Gusmão" (VASP 1) e "Edu Chaves" (VASP 2).
Enquanto a maioria das companhias aéreas nessa época iniciou operações com aeronaves aquáticas, a Vasp foi a primeira companhia aérea da América Latina a operar uma avião totalmente terrestre.
Inicialmente a Vasp utilizava o Aeroporto Campo de Marte, mas logo foi obrigada a construir o seu próprio espaço para seus aviões. Foi aí que a companhia criou o Campo da Vasp, que se transformou no Aeroporto de Congonhas (em São Paulo). Durante a construção do Campo da Vasp, os voos foram paralisados por quatro meses, devido a uma inundação no Campo de Marte.
Na época dos Monospar, a aviação comercial brasileira estava engatinhando. Era a chamada "fase heróica", onde os pilotos se guiavam pelos trilhos de trem e a meteorologia era ditada pelo pico do Jaraguá: se ele podia ser visto os aviões levantavam voo, e se tivesse encoberto os voos eram cancelados. Mas apesar da dificuldade, a demanda de passageiros cresceu rapidamente e os Monospar ficaram pequenos demais. Foi ai que a Vasp começou a buscar novos aviões para ampliar a frota.

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante:
General Aircraft
Motores: 2xPobjoy Niagara
Lotação máxima: 1 piloto + 3 passageiros
Velocidade de cruzeiro: 120 km/h
Prefixos: PP-SPA e PP-SPB
Total de Aeronaves Operadas: 2

 

De Havilland Dragon DH-84
1934-1939

O DH-84 foi o segundo modelo de aeronave e a terceira operada pela Vasp. O primeiro foi recebido em 1934 e utilizado na rota São Paulo - Ribeirão Preto - Uberaba. O avião foi repassado para FAB em 1939. I De Havilland Dragon era o maior avião terrestre do Brasil naquele momento e assim a Vasp pôde aumentar a frequência e a oferta de voos. A companhia passou a operar em mais cidades no estado de São Paulo e começou a ampliar a malha para o Oeste.

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante: De Havilland
Motores: 2x Gipsy Major I de 4 cilindros
Comprimento: 8 m; envergadura: 18 m; altura: 3 m
Teto operacional: 4420m
Alcance: 877km
Lotação máxima: 2 pilotos + 8 passageiros
Velocidade de cruzeiro: 180 km/h
Prefixo: PP-SPC
Total de Aeronaves Operadas: 1

 

Junkers JU-52/53
1936-1947

O JU-52/53 foi o primeiro modelo incorporado pela Vasp depois de ser privatizada. Foi também o primeiro modelo que não era de origem Britânica. Os dois primeiros foram incorporados em agosto de 1936 e fizeram história inaugurando a Ponte Aérea Rio-São Paulo, a rota mais movimentada do Brasil. Um decolou do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e o outro do Santos Dumont, no Rio de Janeiro, simultaneamente. Os dois levaram duas horas para chegar nos destinos. O Junkers de matricula PP-SPD foi a aeronave que inaugurou o aeroporto de Congonhas às 8h40 de 5 de agosto de 1936, rumo ao Rio de Janeiro. As duas aeronaves foram batizadas de "Cidade de São Paulo" e "Cidade do Rio de Janeiro". Naquela época a Vasp operava uma frequência diária e o voo durava cerca de 1 hora e 40 minutos, enquanto o trem levava cerca de 15 horas entre as duas cidades. Logo depois, com o ganho de experiência, o tempo de voo foi reduzido para 1 hora e 15 minutos.
Em setembro de 1937 a Vasp recebeu o terceiro JU-52 e duplicou as frequências entre Rio e SP. Com os Junkers, a Vasp expandiu suas linhas para o Centro-Oeste e Sul do Brasil, chegando em Belo Horizonte, Curitiba e Goiânia.
Os JU-52 foram as primeiras aeronaves do Brasil equipadas com sistemas para voos com instrumentos (voos cegos). Para ensinar os funcionários da Vasp, a fabricante enviou três comandantes alemães para o Brasil.
O quarto JU-52 chegou em 1939. E outros dois, que haviam sido encomendados em 1936, só chegaram em 1944 por causa da Segunda Guerra Mundial. A Guerra trouxe grande dificuldade para a Vasp, pois quase toda a sua frota era composta de aeronaves alemães e não era mais possível importar peças de reposição. Também não era possível comprar novas aeronaves, pois todas as fabricantes estavam voltadas em produzir aviões militares. A Vasp então começou a fabricar no Brasil as peças para as suas aeronaves JU-52. A estratégia deu tão certo que a companhia também exportou as peças fabricadas no Brasil para outros países da América Latina que operavam os JU-52.
Os Junkers da Vasp tinham um cinzeiro para cada assento e os passageiros podiam fumar em qualquer lugar da aeronave. Cada assento também tina um sistema de ventilação e luzes individuais. A cabine de passageiros tinha um pequeno bar. Os assentos eram de couro grenat e as paredes e teto com a cor bege claro.

Prefixo: PP-SPD, PP-SPE, PP-SPF, PP-SPG, PP-SPH, PP-SPI
Total de Aeronaves Operadas: 6

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante:
Junkers
Lotação máxima: 3 tripulantes + 17 passageiros
Velocidade de cruzeiro: 250 km/h
Envergadura: 29,25 m
Comprimento: 18,90 m
Altura: 4,50 m

 

Douglas DC-3/C-47
1946-1965

Após a Segunda Guerra Mundial, a Vasp passou a adquirir aeronaves americanas DC-3. As quatro primeiras chegaram em 1946 e mais treze antes de 1950. Os DC-3 substituíram os Junkers. Com os DC-3 a Vasp pôde aumentar as frequências de suas rotas e expandir sua malha para o Norte de Nordeste do Brasil. Os DC-3 foram substituídos pelos Saab 90.

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante:
Douglas
Lotação máxima: 26 a 28 passageiros
Altura: 5 m / Comprimento: 19 m / Envergadura: 29 m
Motores: 2x Pratt & Whitney R-1830
Peso máximo de decolagem: 11 toneladas
Velocidade: 330 km/h
Total de Aeronaves Operadas: 27

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-NAM

DC-3D

 

FAB

PP-NAT

C-53D-DO

ex PP-PBU Panair do Brasil

Projeto Rondon (PT-KTY)

PP-NMA

C-53-DO

ex PP-PCT Panair do Brasil

Panair do Brasil PP-PEE

PP-SPK

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPL

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPM

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPN

C-47B-DK

US Air Force

FAB

PP-SPO

C-47B-DK

US Air Force

Projeto Rondon (PT-KUB)

PP-SPP

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPQ

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPR

C-47A-DL

US Air Force

destruído

PP-SPS

C-47B-DK

US Air Force

FAB

PP-SPT

C-47A-DL

US Air Force

destruído

PP-SPU

C-47B-DL

 

destruído

PP-SPV

C-47B-DK

US Air Force

destruído

PP-SPW

C-47B-DK

Braniff

destruído

PP-SPX

C-47A-DK

RAF

destruído

PP-SPY

C-47A-DL

RAF

destruído

PP-SPZ

C-47-DL

uso privado

destruído

PP-SQA

C-47-DL

US Air Force

destruído

PP-SQG

DC-3-178

PSA

uso privado

PP-SQH

DC-3-178

American Airlines

Nacional (PP-ANU)

PP-SQI

C-47A-DK

Aerovias

Rainier Air Freight Lines

PP-SQJ

C-47A-DK

Admiral Airways

FAB

PP-SQK

C-47-DL

Resort Airlines

Projeto Rondon (PT-KUC)

PP-SQL

DC-3-277C

American Airlines

Real  (PP-YQO)

PP-SQM

C-47-DL

American Flyers Airline

FAB

PP-SQO

C-47A-DL

Union Southern

Projeto Rondon (PT-KUD)

PP-SQP

C-48B-DO (DST-A)

United

destruído

 

Scandia SAAB90A-2
1950-1969

A Vasp foi simplesmente foi a operadora de TODAS as 18 unidades fabricadas, até mesmo o protótipo! A Vasp optou pelo Scandia principalmente pelo fato de decolar do aeroporto Santos Dumont sem restrições e também por ter um preço bem mais convidativo do que seu concorrente, o Convair 240.O primeiro, PP-SQC, chegou ao Brasil em 21 de junho de 1950. Os Saab 90 passaram a operar na Ponte Aérea Rio - São Paulo, que na época tinha 15 voos diários entre as duas cidades. Também com o Saab 90, a Vasp foi a primeira companhia a voar regularmente para Brasília, em 1957. O último Scandia realizou seu último voo em 24 de julho de 1969, na rota São Paulo - Londrina - Maringá - São Paulo.

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante:
SAAB
Comprimento: 21,3m Envergadura: 28m Altura: 7,1m
Motores: 2xPratt Whitney R-2180-E1 Twin Wasp
Lotação máxima: 24 a 36 passageiros
Velocidade de cruzeiro: 390 km/h
Alcance máximo: 2400 km
Peso máximo decolagem: 16.000kg
Total de Aeronaves Operadas: 18

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SQC

SAAB 90A-2

ex PP-AVT Aerovias

desmontado

PP-SQD

SAAB 90A-2

ex PP-AXE Aerovias

desmontado

PP-SQE

SAAB 90A-2

ex PP-AVW Aerovias

destruído

PP-SQF

SAAB 90A-2

ex PP-AVN Aerovias

desmontado

PP-SQN

SAAB 90A-2

 

desmontado

PP-SQQ

SAAB/F.90A

 

desmontado

PP-SQR

SAAB/F.90A

 

preservado

PP-SQS

SAAB/F.90A

 

destruído

PP-SQT

SAAB/F.90A

 

desmontado

PP-SQU

SAAB/F.90A

SAS

desmontado

PP-SQV

SAAB 90A-2

SAS

destruído

PP-SQW

SAAB 90A-2

SAS

desmontado

PP-SQX

SAAB 90A-2

SAS

desmontado

PP-SQY

SAAB 90A-2

SAS

destruído

PP-SQZ

SAAB/F.90A

SAS

desmontado

PP-SRA

SAAB 90A-2

SAS

destruído

PP-SRB

SAAB 90A-2

SAS

desmontado

 

Vickers Viscount 700 / 800
1958-1969

O primeiro Viscount foi recebido em outubro de 1958 e o primeiro voo aconteceu em 1958. Eles foram a estrela da frota da companhia nos anos 60. O Viscount da Vasp foi a primeira aeronave à reação do Brasil. Os primeiros modelos operados pela Vasp foram os 800, com capacidade para 71 passageiros, num total de cinco unidades. Posteriormente a companhia recebeu mais dez, dessa vez da série 700, para 40 passageiros. Os modelos ficaram conhecidos como Vaicão e Vaiquinho, respectivamente. Com eles a Vasp iniciou uma nova era na aviação comercial brasileiras: os Viscount tinha cabine pressurizada, voavam mais rápido e tinham música a bordo.
O Eles foram os últimos modelos a operar na Ponte Aérea Rio-São Paulo, antes do monopólio dos Electras II. Além da Ponte Aérea, os Viscount também operaram na rota São Paulo - Brasília e Rio de Janeiro - Manaus, esta última passou a ser feita em apenas um dia graças a maior velocidade do
Viscount.

 

ESPECIFICAÇÕES:
Fabricante:
Vickers-Armstrongs
Comprimento: 26,11 m / Envergadura: 28,56 m / Altura: 8,15 m
Velocidade: 566 km/h
Alcance máximo: 2790 km
Passageiros: 56 (700) / 85 (800)
Peso máximo decolagem: 32786 kg
Total de Aeronaves Operadas: 10 (700) / 6 (800)

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SRC

Viscount 827

 

Pluna

PP-SRD

Viscount 827

 

destruído

PP-SRE

Viscount 827

 

destruído

PP-SRF

Viscount 827

 

Pluna

PP-SRG

Viscount 827

 

destruído

PP-SRH

Viscount 827

Vickers-Armstrongs

Pluna

PP-SRI

Viscount 701

BEA

preservado

PP-SRJ

Viscount 701

BEA

preservado

PP-SRK

Viscount 701

encomenda cancelada

 

PP-SRL

Viscount 701

BEA

desmontado

PP-SRM

Viscount 701

BEA

destruído

PP-SRN

Viscount 701

BEA

preservado

PP-SRO

Viscount 701

BEA

desmontado

PP-SRP

Viscount 701

BEA

desmontado

PP-SRQ

Viscount 701

BEA

destruído

PP-SRR

Viscount 701

BEA

destruído

PP-SRS

Viscount 701

BEA

desmontado

 

Curtiss C-46 Commando / Douglas DC-4 / Douglas DC-6
1962-1977(C46 e DC4) / 1962-1977(DC6)

DC-4

DC-6 C-46

Com a aquisição do grupo Lloyd Aéreo em 7 de janeiro de 1962, a Vasp incorporou modelos novos à frota: oito Curtiss C-46, oito DC-4 e quatro DC-6. Os DC-4 e C-46 ficaram em operação na Vasp por apenas 8 anos, enquanto os DC-6 permaneceram até o final da década de 70.  Após a compra, a Vasp passou a atender 72 cidades brasileiras e a deter cerca de 25% do mercado nacional.
A Vasp chegou a operar quatorze C-46A e C-46D, vindos da Lóide Aéreo, Taba e NAB. A maioria deles se acidentou ou foi sucateado. Três deles foram vendidos para a Sava e dois para a FAB.

Total de Aeronaves Operadas: 14 (C46) / 8 (DC4) / 4 (DC6)

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-BLE

C-46A-CK

ex PP-LEA Loide Aéreo Nacional

Vibas

PP-LDG

C-46A-CU

ex PP-XCW Loide Aéreo Nacional

La Cumbre

PP-LDL

C-46D-CU

Linha Aérea Transcontinental Brasileira

destruído

PP-LDP

C-46A-CU

ex PP-VCJ Varig

desmontado

PP-LDQ

C-46A-CU

ex PP-LDI Loide Aéreo Nacional

destruído

PP-LEP

C-46A-CU

ex PP-LDU Loide Aéreo Nacional

desmontado

PP-NAO

C-46D-CU

Itau

SAVA

PP-NAP

C-46A-CK

Aeronorte

SAVA

PP-NMC

C-46A-CU

Aaxico

desmontado

PP-NME

TC-46A-CU

 

destruído

PP-NMF

C-46A-CU

 

destruído

PP-NMG

C-46A-CU

 

desmontado

PP-NMH

C-46A-CU

 

SAVA

PP-NML

C-46A-CU

 

desmontado

PP-BLG

C-54-DO (DC-4)

Capital Airlines

desmontado

PP-LEL

C-54B-DO (DC-4)

Western Airlines

uso privado

PP-LER

C-54B-DO (DC-4)

United

desmontado

PP-LES

DC-4 (civil C-54)

United

desmontado

PP-LET

DC-4 (civil C-54)

United

destruído

PP-LEW

C-54A-DC (DC-4)

ex PP-YRO Real

destruído

PP-LEY

C-54B-DO (DC-4)

ex PP-AXQ Real

uso privado

PP-LFA

DC-6A/C

 

La Cumbre

PP-LFB

DC-6A/C

 

preservado

PP-LFC

DC-6A/C

 

Atlas

PP-LFD

DC-6A/C

 

La Cumbre

 

BAC 1-11 e NAMC YS11 "Samurai"
1967-1973 e 1967-197
7

BAC 1-11
YS-11

Na transição entre turbo-hélice e jato, a Vasp adquiriu em 1967 dois BAC 1-11, oito YS11 e quatro Boeing 737-200. Com a aquisição dessas aeronaves a Vasp passou a servir 32 cidades. Na Vasp, os YS-11 ficaram conhecidos como "Samurai" devido à origem japonesa. Já os BAC 1-11 ficaram pouco tempo na frota e logo foram substituídos pelo Boeing 737-200.
A Vasp recebeu o primeiro YS-11 no dia 14 de novembro de 1968 (PP-SMI). No total foram dez unidades, sendo dois, o PP-SMX e PP-SMZ, arrendados em 1969 por alguns meses da Cruzeiro.
Os BAC 1-11 haviam sido incorporados em caráter de emergência, já que a Vasp precisava de novas aeronaves para atender todas as novas cidades que passou a voar depois de comprar a Lloyd Aéreo. A encomenda original previa a compra de duas unidades e opção para mais três. Os dois BAC 1-11-422 foram entregues no dia 19 de dezembro de 1967 e entraram em serviço em janeiro de 1968, na rota São Paulo - Rio de Janeiro - Belém - Manaus e Fortaleza - Recife - Salvador - Rio de Janeiro - São Paulo - Porto Alegre.

BAC 1-11
Motores:
2x Rolls-Royce RB.163 Spey Mk 511-14
Velocidade de cruzeiro:
882 km/h
Passageiros:
60

NAMC YS-11
Comprimento:
26,3m Envergadura: 32m Altura: 8,99m
Motores: 2x Rolls-Royce Dart Mk.542-10K
Velocidade de cruzeiro: 454 km/h
Passageiros: 74

Total de Aeronaves Operadas: 2 (BAC) / 9 (YS)

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SRT BAC 111-422EQ   uso privado
PP-SRU BAC 111-422EQ   uso privado

PP-CTA

YS-11-125

Cruzeiro

Cruzeiro

PP-SMI

YS-11A-200

JAL

destruído

PP-SMJ

YS-11A-211

JAL

destruído

PP-SML

YS-11A-212

JAL

destruído

PP-SMM

YS-11A-212

JAL

JAL

PP-SMN

YS-11A-212

JAL

JAL

PP-SMO

YS-11A-212

ANA

PSA

PP-SMX

YS-11-125

ex PP-CTC Cruzeiro

NAMC

PP-SMZ

YS-11-125

ex PP-CTD Cruzeiro

Toa Airways

 

Boeing 737-200
1969-2005

O Boeing 737-200 é o avião mais famoso de todos os tempos da frota da Vasp. A companhia foi a pioneira na operação do 737 no Brasil. O primeiro Boeing 737 do Brasil foi um Boeing 737-200, registro PP-SMA, trazido pela Vasp em 1969. Essa aeronave ficou 35 anos! na Vasp. A aeronave foi impedida de voar pelo DAC, em 2004, por falta de manutenção. Além do PP-SMA, a Vasp recebeu mais quatro 737-200 ainda em 1969. O Boeing 737-200 fez muito sucesso no Brasil, pois nessa época quase não haviam jatos no mercado nacional. Eles ficaram conhecidos como "Breguinhas".
Com o sucesso, a
Vasp encomendou mais quatro unidades. O primeiro chegou em 1972 e os outros três em 1973.
Um estudo desenvolvido pela Vasp demonstrava que as turbinas perdiam rendimento onde a temperatura média era bastante elevada e a sustentação oferecida pelo ar era bem menor, criando problemas para a estabilidade do avião. A Boeing então criou o Boeing 737-200 Super Advanced com turbinas mais potentes, sistemas de freios mais adequados e outras modificações.
O Boeing 737-200 passou a ser a principal aeronave da
Vasp e ela chegou a operar 22 Boeing 737 em 1976, a maior frota da América do Sul e uma das maiores do mundo na época. Sendo que três deles operavam para o transporte da carga. Porém, se houvesse necessidades, eles poderiam ser facilmente convertidos para o transporte de passageiros.
O 737-200 continuou absoluto na década de 80, 90 e até a falência da empresa. A
Vasp não possuía recursos para renovar a frota, que permaneceu a mesma. No final de 2004, nos seus últimos meses, a frota da companhia era composta de apenas seis 737-200, estes permaneceram operando até a empresa paralisar as operações em fevereiro de 2005. O Boeing 737-200 também foi operado pela VaspEx. A empresa chegou a operar quatro Boeing 737-200 cargueiros, a primeira companhia aérea a operar um Boeing 737 cargueiro no Brasil.

Comprimento: 30,53 m / Envergadura: 28,30 m / Altura: 11,28 m
Motores
: 2x Pratt & Whitney JT8D-17
Velocidade: 780 km/h
Peso max. decolagem: 49.442 kg
Configurações utilizadas: 96 ou 105 ou 107 ou 112 ou 118 (uma classe)
Capacidade de carga: 15 toneladas
Total de Aeronaves Operadas: 44

Matricula

Modelo

Origem

Destino

OBS:

PP-SRW

B737-204

Thomson Airways

Thomson Airways

 

PP-SPA

B737-205

SAS

SAS

 

PP-SPC

B737-205

SAS

SAS

 

PP-SPB

B737-205

SAS

SAS

 

PP-SMT

B737-214

PSA

abandonado

 

PP-SMQ

B737-214

PSA

abandonado

 

PP-SMR

B737-214

PSA

abandonado

 

PP-SMS

B737-214

PSA

abandonado

 

PP-SNW

B737-244

SAA

SAA

 

PP-SRX

B737-248

Aer Lingus

Aer Lingus

 

PP-SNY

B737-248C

Aer Lingus

Aer Lingus

 

PP-SNP

B737-269

uso privado

GECAS

 

PP-SMU

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMV

B737-2A1

Boeing

destruído

 

PP-SMX

B737-2A1

Boeing

destruído

 

PP-SMY

B737-2A1

Boeing

destruído

 

PP-SMZ

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SNA

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SNB

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMA

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMC

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMD

B737-2A1

Boeing

Southwest

 

PP-SME

B737-2A1

Boeing

destruído

 

PP-SMF

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMG

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMH

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMP

B737-2A1

Boeing

abandonado

 

PP-SMB

B737-2A1(F)

Boeing

abandonado

convertido para carga

PP-SNC

B737-2A1C

Boeing

destruído

 

PP-SND

B737-2A1C

Boeing

destruído

 

PP-SMW

B737-2H4C

Southwest

abandonado

convertido para carga

PP-SRV

B737-2K2

Transavia

Transavia

 

PP-SPG

B737-2L7

Our Airline

abandonado

 

PP-SPF

B737-2L7C

Our Airline

abandonado

 

PP-SNK

B737-2L9

Maersk Air

GECAS

 

PP-SNO

B737-2L9

Maersk Air

GECAS

 

PP-SPH

B737-2L9

Our Airline

abandonado

 

PP-SPJ

B737-2M9

Zambia Airways

destruído

 

PP-SFI

B737-2Q3

Japan Transocean

abandonado

 

PP-SFS

B737-2Q3

encomenda cancelada

   
PP-SPI B737-2Q3 Japan Transocean abandonado pintura "na Vasp você é 10"

 

Embraer EMB-110 "Bandeirante"
1973-1976

Em novembro de 1973 a Vasp começou a utilizar aeronaves EMB-110, fabricados pela Embraer, num total de dez aeronaves. A companhia adotou as aeronaves por pressão do governo brasileiros para incentivar a industria nacional. Os EMB-110 substituíram as aeronaves que faziam os voos regionais da Vasp. Porém os EMB-110 só operaram por três anos na companhia.

Total de Aeronaves Operadas: 10
Passageiros: 16

Matricula             Modelo                  Destino
PP-SBA                EMB110C              Tam
PP-SBB                EMB110C              Tam
PP-SBC                EMB110C              Tam
PP-SBD                EMB110C              Exteme Taxi Aéreo
PP-SBE                EMB110C             
PP-SBF                EMB110C              Taf
PP-SBG                EMB110C              preservado (Museu da Tam)
PP-SBH                EMB110C              Tam
PP-SBI                EMB110C               Embraer
PP-SBJ                EMB110C               Oeste Redes Aéreas

 

Boeing 727-200
1975-2005

O Boeing 727 era a opção inicial para a substituição dos BAC 1-11, porém a idéia inicial era encomendar modelos Boeing 727-100. Somente em 1975 a Vasp adquiriu os Boeing 727-200Adv (Advanced), com alta performance. Os 727 foram os maiores jatos da companhia até a chegada do A300 e faziam rotas com alta demanda e longas como São Paulo - Brasília - Manaus. Em 1996 a Vasp voltou a operar com o Boeing 727, mas dessa vez com a versão cargueira na aeronave, que operava nas cores da VaspEx. Os 727 ficaram na VaspEx até o fim da companhia, em 2005.

Total de Aeronaves Operadas: 14
Comprimento: 46,69 m / Envergadura: 32,92 m / Altura: 10,36 m
Peso máximo decolagem: 95 toneladas
Velocidade: 965 km/h
Passageiros: 152

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-AIW

B727-2J4

Sterling Airways

LAB

PP-SFQ

B727-2J4

LAB

abandonado

PP-SMK

B727-212

Singapore

IAL

PP-SNE

B727-2A1

Boeing

UPS

PP-SNF

B727-2A1

Boeing

UPS

PP-SNG

B727-2A1

Boeing

Alaska Airlines

PP-SNH

B727-2A1

Boeing

Mexicana

PP-SNI

B727-2A1

Boeing

Mexicana

PP-SNJ

B727-2A1

Boeing

Alaska Airlines

PP-SRK

B727-212

Singapore

destruído

PP-SFC B727-264F Volvo Aero abandonado
PP-SFE B727-243F Continental Pegasus Aviation
PP-SFF B727-2J7F Tiger Air Tiger Air
PP-SFG B727-2Q4F Wilmington Trust abandonado

 

Airbus A300B2
1982-2005

Após diversos estudos entre o Boeing 757, Boeing 767 e A300, a Vasp escolheu o Airbus A300. Em outubro de 1980 a companhia anunciou a compra de três unidades da versão de curto alcance A300B2-203. As duas primeiras unidades, PP-SNL e PP-SNM, chegaram em novembro de 1982 e foram recebidos com uma grande festa no Aeroporto de Congonhas. A terceira unidade chegou no dia 31 de janeiro de 1983. Foram as primeiras aeronaves "wide-body" (fuselagem larga) e também as maiores aeronaves operadas pela Vasp até a chegada do DC-10 e MD-11. Os três aviões voaram nas principais rotas nacionais da empresa, servindo cidades como Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Fortaleza, Brasília e Manaus. A aeronave também chegou a voar na rota São Paulo - Buenos Aires.
Em 2002 o PP-SNL deixou de operar por falta de manutenção. Já o PP-SNM deixou de operar em 2004 e o PP-SNN também parou logo depois, ambos também por estarem sem condições de voar. Os três A300 permaneceram estacionados até a falência da empresa.

Total de Aeronaves Operadas: 3
Comprimento: 53,60 m / Envergadura: 44,84 m / Altura: 16,53 m
Passageiros:
234 (duas classes) ou 240 (duas ou uma classe)
Motores: 2x GE CF6-50-C2
Velocidade: 970 km/h
Peso máximo de decolagem: 165 toneladas

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SNL

A300B2-203

Airbus

abandonado

PP-SNM

A300B2-203

Airbus

abandonado

PP-SNN

A300B2-203

Airbus

abandonado

 

Boeing 737-300
1986-2005

O Boeing 737-300 foi muito popular no Brasil, sendo a principal aeronave para voos nacionais na década de 90 e inicio dos anos 2000. A Vasp foi a primeira a trazer um Boeing 737-300 para o Brasil, em 1986. Ele foi utilizado na ponte aérea Rio de Janeiro - São Paulo e fez muito sucesso. O Boeing 737-300 era muito mais moderno e eficiente que os Electras II da Varig, que operavam na rota. A Varig, que estava tentando adiar ao máximo a substituição dos Electras, acabou tendo que substituí-los pelos Boeing 737 também.
Em 1990 a Vasp foi privatizada e a frota expandiu rapidamente, chegando a 20 unidades do Boeing 737-300 em 1991. Porém tão rápido como expandiu, a frota encolheu abruptamente em 1993 quando a empresa foi obrigada a devolver várias aeronaves por falta de pagamento de leasing. A intenção da Vasp era adquirir mais unidades do Boeing 737-300 e substituir os Boeing 737-200, porém a companhia já estava em crise financeira e não tinha dinheiro para renovar a frota.

Total de Aeronaves Operadas: 26
Configurações utilizadas: 132 ou 136
Comprimento: 33,40 m / Envergadura: 28,90 m / Altura: 11,10 m
Peso máximo decolagem: 62 toneladas
Motores: 2x CFMI CFM56
Velocidade: 800 km/h

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SFJ

B737-3K9

Western Pacific

Bavaria Fluggesellschaft

PP-SFK

B737-33R

Western Pacific

Freedom Air

PP-SFL

B737-3S3

Western Pacific

Varig (PP-VQW)

PP-SFM

B737-3Q8

Western Pacific

ILFC

PP-SFN

B737-3L9

Maersk Air

uso privado

PP-SNQ

B737-317

Canadian

GECAS

PP-SNR

B737-317

Canadian

 WFBNW

PP-SNS

B737-317

Canadian GECAS

PP-SNT

B737-317

Canadian GECAS

PP-SNU

B737-317

Canadian GECAS

PP-SNV

B737-3Y0

GECAS

GECAS

PP-SNW

B737-33A

 

TNT

PP-SNY

B737-3H9

Jat Airways

Jat Airways

PP-SNZ

B737-33A

 

TNT

PP-SOA

B737-3Y0

Braathens Sweden

GECAS

PP-SOB

B737-3Y0

Braathens Sweden

 European Airlines

PP-SOC

B737-33A

Boeing

AWAS

PP-SOD

B737-33A

Boeing

AWAS

PP-SOE

B737-33A

Boeing

AWAS

PP-SOF

B737-33A

Boeing

AWAS

PP-SOG

B737-33A

Boeing

AWAS

PP-SOK

B737-33A

Boeing

Transbrasil (PT-TEQ)

PP-SOL

B737-33A

Boeing

Transbrasil (PT-TER)

PP-SOR

B737-3L9

Maersk Air

Maersk Air

PP-SOT

B737-3L9

Maersk Air

abandonado

PP-SOU

B737-3L9

Maersk Air

uso privado

 

Boeing 737-400 / Douglas DC-8-71F
1991-1993 / 1991-1993

Com a privatização na década de 90, a Vasp iniciou uma grande expansão e chegou a operar três Boeing 737-400. Porém eles logo foram devolvidos, pois a Vasp não conseguiu pagar o leasing.

Total de Aeronaves Operadas: 3
Passageiros: 156

Os DC-8 foram arrendados para o transporte de carga, em 1993 eles foram devolvidos por falta de pagamento do leasing.  A intenção era alavancar as atividades de carga com voos internacionais. O DC-8-71 era a versão remotorizada do  DC-8-61, com turbinas CFM56, que aumentavam consideravelmente a potência e peso de decolagem. Eles operavam principalmente entre São Paulo, Manaus e Miami. Em 1995, quando o mercado de carga voltou a ter crescimento, a Vasp operou novamente alguns DC-8, porém, dessa vez os aviões foram contratados no sistema de wet-leasing da empresa americana Emery Worldwide.

Total de Aeronaves Operadas: 3

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SOH

B737-4Y0

SAHSA

Malaysia Airlines

PP-SOI

B737-4Y0

SAHSA

Malaysia Airlines

PP-SOJ

B737-4Y0

 

GECAS PT-WBJ

PP-SOO DC-8-71F United GECAS
PP-SOP DC-8-71F United GECAS
PP-SOQ DC-8-71F United Air Canada

 

Douglas DC-10-30
1991-1992 / 1997-1998

Com a privatização na década de 90, a Vasp iniciou uma grande expansão e lançou voos internacionais. Em 1991 a companhia incorporou um DC-10-30 na sua frota. Porém a aeronave foi devolvida em pouco tempo, substituída pelo MD-11. Em 1997 a VaspEx, empresa cargueira, também chegou a operar um DC-10-30F por pouco tempo.

Total de Aeronaves Operadas: 4
Configurações utilizadas: 255 ou 265 (três classes)

Matricula

Modelo

Origem

Destino

PP-SFB

DC-10-30

 Ecuatoriana

 Ecuatoriana

PP-SOM

DC-10-30

Canadian

McDonnell Douglas

PP-SON

DC-10-30

Wilmington Trust

Wilmington Trust

PP-SOV

DC-10-30

Potomac Capital Investment

Wilmington Trust

 

McDonnel Douglas MD-11
1992-1999

Com a privatização na década de 90, a Vasp lançou voos internacionais e o MD-11 foi o principal avião para voos ide longa distância na empresa. A Vasp voava para destinos na América do Sul, Caribe, Estados Unidos, Europa, África, Japão e Coréia. A companhia chegou a operar com nove MD-11 simultaneamente. Mas em 1999 a companhia, que estava com dificuldades financeiras, resolveu cancelar todas as rotas internacionais e se voltar somente para o mercado nacional. Todos os MD-11 foram devolvidos por falta de pagamento do leasing. Sem os MD-11 e 737 adicionais, a frota da Vasp ficou somente com as aeronaves próprias.

Total de Aeronaves Operadas: 10
Configurações utilizadas: 297 (duas classes) / 293, 318, 325 e 326 (três classes)
Comprimento: 61,20 m / Envergadura: 57,70 m / Altura: 17,60 m
Peso máximo decolagem: 286 toneladas
Velocidade: 900 km/h

Matricula

Modelo

Origem

Destino

N277WA

MD-11ER

World Airways

World Airways

PP-SFA

MD-11P

 

UPS

PP-SFD

MD-11P

 

Boeing

PP-SFO

MD-11ER

encomenda cancelada  

PP-SFP

MD-11ER

encomenda cancelada  

PP-SOW

MD-11P

 

Varig (PP-VQL)

PP-SOZ

MD-11P

 

Varig (PP-VQM)

PP-SPD

MD-11P

Delta

Gemini

PP-SPE

MD-11P

Delta

Gemini

PP-SPK

MD-11P

 

Boeing

PP-SPL

MD-11P

 

Boeing

PP-SPM

MD-11P

KLM

KLM


 

> Histórico de encomendas:

  • 10x Boeing 737 em 24/09/1997 (encomenda cancelada)

  • 10x Airbus A310-300, sendo 2 para Ecuatoriana, 2 para LAB e 6 para Vasp em 11/10/1996 (encomenda cancelada)

  • 1x MD-11 em 02/09/1996

  • 1x MD-11 em 02/07/1996

  • 10x Boeing 737-300 em julho de 1995 (encomenda cancelada)

  • 2x MD-11 em 26/06/1995

  • 9x Airbus A310-200 em 21/07/1982 (encomenda cancelada)

  • 13x Boeing 737-300 em abril de 1982 (encomenda cancelada)

  • 3x Airbus A300B2 em 21/01/1981

  • 4x Boeing 727-200 em 22/01/1980

  • 2x Boeing 727-200 em 21/03/1977

  • 2x Boeing 737-200 e 2x Boeing 737-200C em setembro de 1975

  • 5x Boeing 737-200 em maio de 1974

  • 3x Boeing 737-200 em março de 1973

  • 1x Boeing 737-200 em maio de 1972

  • 5x Boeing 737-200 em 19/04/1968

  • 2x BAC-1-11-400 em 22/06/1967

  • 3x Douglas DC-9-10 em 24/04/1967 (encomenda cancelada)

  • 4x Caravelle 6R em 29/09/1962 (encomenda cancelada)

 

> Intenções:

  • Adquirir E-Jets

  • Converter um A300B4 para cargueiro

  • Encomendar 3 Boeing 767-300

 

Aviação Comercial