Junkers F13

A Junkers & Cooi foi fundada em 1895 por Hugo Junkers. Durante a I Guerra Mundial e após a guerra, a empresa tornou-se famosa por suas aeronaves de metal. Durante a Segunda Guerra Mundial a empresa produziu alguns dos mais bem sucedidos aviões.
O Junkers F13 foi o primeiro avião totalmente de metal construído na Alemanha, no final da Primeira Guerra Mundial. O F13 era uma avião muito avançado para época e a letra "F" do seu nome vem da palavra "Flugzeug" (aeronave em alemão). O primeiro F13 voou em 25 de junho de 1919. Depois da Primeira Guerra Mundial a aeronave passou a ser utilizado por várias companhia européias e de todo o mundo.

Operadoras no Brasil: Sindicato Condor, Varig

Origem: Alemanha
Produção: 1919-1932
Comprimento:
10,50 m
Envergadura: 17,75 m
Altura: 3,60 m
Motores: 1x Junkers L5
Velocidade de cruzeiro: 170 km/h
Velocidade máxima: 198 km/h
Passageiros: 4
Primeiro voo: 1919
Alcance: 8114
km
Entregues: 322

 

 

 

Junkers W33

O Junkers W33 é baseado no Junkers F13. O avião tinha mais de trinta versões diferentes e entre elas hidroaviões (capaz de pousar na água). O W33 foi usado por diversas companhias em todo o mundo entre 1920 e 1930.

Operadoras no Brasil: Sindicato Condor

 


Andreas Heilmann

 

Origem: Alemanha
Produção: 1927 a 1934
Comprimento: 10,50 m
Envergadura: 17,75 m
Altura: 3,53 m

Motores: 1x Junkers L5

Velocidade de cruzeiro: 150 km/h
Velocidade máxima: 180
km/h
Passageiros: 6
Primeiro voo: 1926

Alcance: 1000
km
Entregues: 199

 

 

 

Junkers JU-52/3

O desenvolvimento do Junkers JU52 começou em 1928 e esta se tornou um sucesso mundial, com mais de 400 aviões entregues para várias companhias aéreas ao redor do mundo antes da Segunda Guerra Mundial. A grande disponibilidade de Ju 52s permitiu a sua utilização imediata para o esforço de guerra alemão como um avião de transporte para a entrega de homens e suprimentos. Eles foram também usados, com pequenas modificações, para realizar bombardeios. O Junkers JU-52 é o sucessor do Junkers W33 e se consagrou como uma das aeronaves européias mais vendida de todos os tempos.
A aeronave foi projetada em 1930 e o que mais chamava atenção era o seu tamanho. Embora o primeiro protótipo tivesse apenas um motor, a versão final acabou ficando com três: um na frete e um em cada asa. A primeira versão ficou conhecida como Junkers JU-52/1, onde o "1" significa a quantidade de motores (no caso, somente um) e apenas sete desse tipo foram produzidos. A versão mais popular é o Junkers JU-52/3, onde o "3" significa os três motores que a aeronave usa. O JU-52/3 era capaz de voar com três toneladas de carga ou transportar dezessete passageiros, um avião gigante para época.
Em 1935 o JU-52 passou a ser operado pela Lufthansa nas rotas para Europa, Ásia e até mesmo América do Sul. Em 1944 os JU-52/3 já eram 74% da frota da companhia.
Em 1936 um Junkers JU-52/3 inaugurou a ponte aérea Rio de Janeiro - São Paulo. Além disso foi a principal aeronave das principais companhias brasileiras da época.
Após a Segunda Guerra Mundial a maior parte dos JU-52 foram destruídos. Os que sobraram passaram a servir as Forças Aéreas de alguns países ou passaram a ser utilizados para o transporte de passageiros pelas companhias aéreas em todo o mundo.
Em 1944 foi retomada a fabricação do modelo, sendo produzidos mais de quinhentos e oitenta unidades após 1945.
Os principais substitutos da aeronave foram os DC-2 e DC-3, pois eram maiores e mais econômicos.

Operadoras no Brasil: Aeronorte, Sindicato Condor, Varig, Vasp

 

 


Patrick De Coninck

 

Origem: Alemanha
Produção: 1931-1945 / 1945-1947 na França e 1945-1952 na Espanha.
Comprimento: 18,90 m
Envergadura: 29,25 m
Altura: 4,5 m
Peso: 5,9 toneladas
Peso máximo de decolagem: 9,2 toneladas
Motores: 3xBMW Hornet A2 / 132
Velocidade de cruzeiro: 222 km/h
Velocidade máxima: 271 km/h
Altitude de cruzeiro: 5,2 km (17 mil pés)
Passageiros: 17
Primeiro voo: 1930
Alcance: 870 a 950 km
Entregues: 4845

 

 

Aviação Comercial