A Aerolíneas Argentinas surgiu em 1949, após a fusão entre a FAMA (Flota Aerea Mercante Argentina), ALFA (Aviación del Litoral Fluvial Argentino), ZONDA (Zonas Oeste y Norte de Aerolineas Argentinas) e a Aeroposta Argentina, tornando-se a principal companhia da Argentina e controlada pelo governo. A companhia já nasceu voando para destinos internacionais como São Paulo, Santa Cruz de La Sierra, Santiago e Lima com aeronaves DC-3, DC-4 e DC-6.
Em março de 1950 a empresa iniciou voos para Nova York. Também no inicio dos anos 50 a companhia iniciou a rota para Europa com o DC-6: Buenos Aires - Rio de Janeiro - Natal - Dakar - Lisboa - Paris - Frankfurt.
Em 1954 a companhia iniciou voos para Montevideu com o DC-3.
No dia 16 de abril de 1959 a Aerolineas recebeu o primeiro jato do país, um De Havilland Comet IV, que operou na rota Buenos Aires - Bariloche e Buenos Aires - Santiago.
Em 1965 a Aerolíneas Argentinas recebeu o primeiro Boeing 707-300, que substituíram os Comet. Nessa década a companhia também adquiriu os Caravelle e Avro HS-748. Em 1963 a empresa começou a voar para La Paz, capital da Bolívia.
Em agosto de 1969 a companhia recebeu o primeiro Boeing 737-200, que passaram a ser a principal aeronave para rotas curtas e médias.
Em 1973 a Aerolíneas começou a voar para Miami com o Boeing 707, em 1974 para Bogotá, México e Los Angeles e em 1975 para Caracas.
A primeira aeronave "wide-body" (fuselagem larga) da Aerolíneas Argentinas foi o Boeing 747-200. O voo inaugural aconteceu no dia 5 de janeiro de 1977 entre Buenos Aires, Madrid, Roma e Frankfurt.
Nos anos 80 a Aerolíneas Argentinas foi a primeira companhia a realizar uma rota comercial transpolar, ligando Buenos Aires à Auckland com o Boeing 747.
Em novembro de 1990 a empresa foi privatizada por um consórcio liderado pela Iberia. A Iberia investiu na companhia trazendo os MD-83 (em 1992), os A310 (em 1994) e os A340 em 1999. Porém a empresa não saia do vermelho de jeito nenhum e a Iberia foi desistindo da empresa, vendendo sua parte e reduzindo os investimentos. Com sérias dificuldades financeiras, a frota da empresa passou a ter vários tipos de aeronaves diferentes, pois a empresa não conseguia renovar totalmente a frota. A situação da empresa ficou ainda pior com a crise na Argentina e o 11 de setembro de 2001.
Em 2001 a empresa suspendeu vários voos, inclusive para São Paulo, Rio de Janeiro, Nova York, Los Angeles e Sydney.
Em 2002 a empresa foi vendida para o Grupo Marsans. Em janeiro retomou os voos suspensos e lançou uma nova identidade visual, unificando a sua subsidiária Austral. A companhia recebeu aeronaves Boeing 737-500 e Boeing 747-400 para renovar a frota, mas continuou com sérias dificuldades financeiras.
Em 2008 a empresa voltou a ser do governo argentino, para evitar que a empresa fosse à falência. Com o dinheiro injetado, a empresa fez um acordo com a Embraer e com a Boeing para renovar a frota.
Em novembro de 2009 aconteceu o último voo com o Boeing 737-200, substituídos por Boeing 737-500 e Boeing 737-700.
Em junho de 2010 a Aerolíneas Argentinas apresentou uma nova identidade visual para marcar a nova fase da companhia. Como parte do seu plano de expansão, a companhia aumentou os seus voos para São Paulo e iniciou voos diretos para Salvador.
Em fevereiro de 2012 ocorreu o último voo com o Boeing 747, substituídos pelos Airbus A340. Em agosto a companhia anunciou a sua entrada na aliança global SkyTeam. No final de 2012 a companhia finalmente conseguiu renovar completamente a sua frota, que ficou padronizada com Boeing 737-700/800, Airbus A340-200/300 e Embraer E-190.
Em 2013 a Aerolíneas iniciou uma grande expansão no Brasil e anunciou voos diretos entre Buenos Aires e Belo Horizonte. A companhia também adquiriu aeronaves A330 para substituir os A340-200.



A Austral Linhas Aéreas foi fundada em 1971, como resultado da fusão da ALA (Aerotransportes Litoral Argentino) com a Austral Compañia Argentina de Transportes Aéreos. Em 1980 a empresa foi estatizada para não deixar de operar. Depois voltou a ser privada e mais tarde foi vendida para a Iberia. A partir dai, a Austral passou a ser uma subsidiária da Aerolíneas Argentinas.
Em 1992 a empresa começou a padronizar a frota com MD-80. Em 2000 a empresa recebeu seus primeiros Boeing 737-200. Em 2002 as empresas passaram a ter a mesma identidade visual. Em 2004 a empresa recebeu o primeiro Boeing 737-500 e passou a ter voos internacionais. Em 2008 a companhia anunciou a renovação da frota com aeronaves E-190 da Embraer, completada no final de 2012.

 

Evolução da empresa:
Logos antigos:

Pinturas:

 

AEROLÍNEAS ARGENTINAS
Fundação:
1949
País:
Argentina
Principais Aeroportos: Ezeiza e Aeroparque
Sede: Buenos Aires
Códigos: ARG / AR
Destinos: 58
Destinos no Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Belo Horizonte e Salvador.

 

 

> Frota Atual:

E
Aeronave: Ativos: Inativos: Idade Média: Encomendas: Passageiros:

AEROLÍNEAS ARGENTINAS

Airbus A330-200 10   10 anos   272 (24J+248Y)
Airbus A340-200   3 21 anos   249 (32J+217Y)
Airbus A340-300 5 1 19 anos   280 (32J+248Y)
Boeing 737-700 12 2 11 anos   128 (8J+120Y)
Boeing 737-800 28   3 anos 6 170 (8J+162Y)
Boeing 737-8MAX       11  
TOTAL: 55 6 8 anos 17 -

AUSTRAL

Embraer E-190 26 0 5 anos 0 96 (8J+88Y)

TOTAL DO GRUPO: 81

Embraer E-190

Assentos na classe executiva: 8
Assentos na classe econômica: 88
Alcance: 4450 km
Entretenimento: telas individuais

Boeing 737-700

Assentos na classe executiva: 8
Assentos na classe econômica: 120
Alcance: 6000 km
Boeing 737-800

Assentos na classe executiva: 8
Assentos na classe econômica: 162
Alcance: 5420 km

Airbus A330-200

Assentos na classe executiva: 24
Assentos na classe econômica: 248
Alcance: 13400 km
Entretenimento: canais de vídeo e música

Airbus A340-300

Assentos na classe executiva: 32
Assentos na classe econômica: 248
Alcance: 13500 km
Entretenimento: canais de vídeo e música

Códigos: F: Primeira Classe, J: Classe Executiva, W: Classe Econômica Premium, Y: Classe Econômica

 

> Histórico de Frota:

E
Aeronave 1953 1955 1960 1965 1970 1980 1990 2004 2012 2015
A310-300               1    
Airbus A330                   6
Airbus A340               4 11 11
B707-300         6 8 1      
B727-200           3 8      
Boeing 737           13 11 20 32 38
Boeing 747           4 7 6 1  
Caravelle       3 3          
Comet 4     4 4 4          
CV-240 5 4 4              
DC-3 20 18 15 12            
DC-4 4 5 6 6            
DC-6 6 6 5 3            
HS748       12 12          
Fokker 28           4 4      
MD-80 6 3  
outras 6 6 6  
TOTAL: 41 39 40 40 25 32 31 37 47 50

 

> Aeronaves Utilizadas:

Aeronave: Período: Total de unidades: Passageiros:
Airbus A310-300 1994-2008 10 194 (24J+170Y) ou 193 (18J+175Y)
Airbus A320   3  
Boeing 707-300B/C 1965-1993 9  
Boeing 727-200/ADV 1977-1996 15  
Boeing 737-200 1969-2009 66 111 (8J+103Y) ou 107 (8J+99Y)
Boeing 737-300F   1  
Boeing 737-500 2002-2012 17 108 (8J+100Y)
Boeing 747-200 1976-2004 14 392 (46J+346Y) ou 400 (46J+354Y)
Boeing 747-SP 1980-1990 2  
Boeing 747-400 2002-2012 3 421 (42J+379Y)
Caravelle 6N 1960s-1970s 9  
Convair CV-240 1950s-1960s 5  
De Havilland Comet 4/C 1959-1973 14  
Fokker 28-1000/4000 1975-1994 7  
Hawker Siddeley HS-748 1962-1977 24  
Lockheed L1049 Super G Constellation   5  
Douglas DC-3 (C-47) 1949-1970 34  
Douglas DC-4 (C-54) 1949-1960s 9  
Douglas DC-6 1949-1960s 6  
McDonnell Douglas MD-81/83/88 1992-2012 14 153 (8J+145Y) / 147 (12J+135Y) / 143 (12J+131Y) / 148 (8Y+140Y)
SFB S.25   8  
YS-11   2  
 

 

> Mapa de Rotas:


Ano: 2012 (Clique para ampliar)


Ano: 2010

 


Ano: 2000


Ano: 1959


Ano: 1957

 

Atualizado em maio de 2017

Aviação Comercial