Frota - Panair do Brasil

 

> Frota/Ano:

E
Aeronave 1929 1936

1938

1946 1948 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960

PANAIR DO BRASIL

Convair Catalina

     

8

4 4 4 4 5 5 4 5 5 5

C. Commodore

4

4

5                      

Douglas DC-3

     

23

19 19 19 16 14 8 14 14 10  
Douglas DC-6                           4
Douglas DC-7                     4 4 4 4
Farchild A942   2 2                      
Lockheed L12   2 2 2                    
Lockheed L18 Lodestar       12                    
L049/149 Constellation       12 6 6 7 9 11 11 10 11 11 12
S.38/S.43 4 4 4                      
 TOTAL: 8 12 13 57 29 29 30 29 30 24 32 34 30 25

 

E
Aeronave 1961 1962 1963 1964 1965

PANAIR DO BRASIL

Caravelle VIR

    4 4 3

Convair Catalina

5 6 5 4 5

DC-3

5 - - - -
DC-7 4 3 2 4 2
DC-8-33 2 4 2 2 3
L049/149 Constellation 12 12 11 11 10
 TOTAL: 28 25 24 25 23

 

 

> Histórico da frota:

Consolidated Commodore
(1929-1940)

O Consolidated Commodore e o Sikorsky S-38 foram as primeiras aeronaves operadas pela Panair do Brasil. As duas eram aeronaves anfíbias, muito adequadas para o Brasil que, na época, tinha muito poucos aeroportos. No dia 2 de março de 1931 decolou o primeiro voo de passageiros, ligando Rio de Janeiro e Belém e conexões com os voos da Pan Am. Em 1933 o voo foi expandido até Manaus.

Total de Aeronaves Operadas: 7
Passageiros: 16-22
Velocidade de Cruzeiro: 160 km/h

Matricula Modelo Origem Destino

PP-PAA

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

PP-PAE

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

PP-PAG

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

PP-PAH

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

PP-PAI

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

PP-PAJ

Consolidated Commodore

Pan Am Pan Am

 

Sikorsky S-38         Sikorsky S-43
1929-1938                             1936-1947

O Consolidated Commodore e o Sikorsky S-38 foram as primeiras aeronaves operadas pela Panair do Brasil. O S-38 se adaptou muito bem nas rotas na Amazônia, onde a profundidade dos rios variava muito. O S-43 tinha um espaço interno melhorado e entrou em operação para substituir o Commodore em algumas rotas.

Total de Aeronaves Operadas: 6 (S38) / 7 (S43)
Passageiros: 6-18


Ed Coates


 

Lockheed Air Express
1930-1930

O Air Express transportava apenas quatro passageiros e tinha uma velocidade máxima de 283 km/h.

 Total de Aeronaves Operadas: 1

 

 

Fairchild XA-942A
1935-1944

O Fairchild A-942 levava oito passageiros à uma velocidade de 275 km/h, rápido para época.

 Total de Aeronaves Operadas: 2
Passageiros: 8


Aeroporto Santos Dumont (RJ)

 

Lockheed L-10 Electra
1937-1943


Foi o primeiro avião terrestre da Panair e começou a operar em Belo Horizonte e São Paulo.

Passageiros: 10

 

Douglas DC-2          Douglas DC-3
1941-1942                                1945-1965

Os modelos foram repassados para a Panair, pela sua empresa-mãe Pan Am. O DC-3 passou a ser a principal aeronave de rotas curtas da Panair no final da década de 40 e inicio da de 50. Muitos DC-3 da Panair depois foram repassados para outras companhias brasileiras como a Varig, Cruzeiro, Real.


DC-2 (Ed Coates)                                                                DC-3

Total de Aeronaves Operadas: 2 (DC2) / 23 (DC3)
Comprimento: 19,66 m
Envergadura: 28,96 m
Altura: 5,60 m
Motores:
2x PW
Velocidade de cruzeiro: 240 Km/h

Passageiros: 14 / 21-30

Matricula Modelo Origem Destino

PP-PBS

C-53D-DO

US Air Force

Nacional (PP-AKI)

PP-PBT

C-53D-DO

US Air Force

destruído

PP-PBU

C-53D-DO

US Air Force

destruído

PP-PBW

C-53-DO

US Air Force

desmontado

PP-PBY

C-47B-DK

US Air Force

Varig (PP-VBA)

PP-PBZ

C-47B-DK

US Air Force

  Cruzeiro (PP-CCR)

PP-PCA

C-47B-DK

US Air Force

  ALA

PP-PCC

C-47-DL

Transair

  Cruzeiro (PP-CCT)

PP-PCD

C-47-DL

 

destruído

PP-PCE

C-47-DL

 

desativado

PP-PCH

DC-3A-228D

Pan Am

destruído

PP-PCI

DC-3A-228C

Pan Am

  uso privado

PP-PCJ

DC-3A-228F

Pan Am

  uso privado

PP-PCK

C-47B-DK

Pan Am

destruído

PP-PCL

C-47B-DK

Pan Am

desmontado

PP-PCM

C-47A-DL

Panagra

 

PP-PCN

DC-3A-393

Panagra

destruído

PP-PCO

C-53D-DO

Panagra

desativado

PP-PCP

DC-3-279

Panagra

 

PP-PCS

C-53-DO

Pan Am

destruído

PP-PCT

C-53-DO

Pan Am

destruído

PP-PCU

C-47B-DK

Pan Am

 

PP-PCV

C-47B-DK

Pan Am

  Real  (PP-YQM)

PP-PED

DC-3-279

NAB

  FAB

PP-PEE

C-53-DO

NAB

destruído

PP-PAY

DC-2-118B

Pan Am

  Pluna

PP-PAZ DC-2-124 Pan Am Pluna

 

Lockheed L-18 Lodestar
1941-1947


Ed Coates

O L18 era um concorrente do DC-3 e quatorze deles foram incorporado na frota da Panair nos anos 40. Seis deles se acidentaram.

 Total de Aeronaves Operadas: 14
Passageiros: 12

 

Lockheed L-12
1945-1946

O Lockheed L-12 era uma versão menor do Lockheed L-10 Electra, por isso ficou conhecido como "Electra Junior". Embora não tivesse feito muito sucesso com as companhias aéreas, foi muito vendido como aeronave particular.

Total de Aeronaves Operadas: 2
Passageiros: 6
Velocidade de Cruzeiro: 362 km/h

 

Lockheed Constellation L049/749
1946-1965

A Panair recebeu os três primeiros Lockheed L049 Constellation em março de 1946, todos eles vindos da sua empresa-mãe Pan Am. Em 3 de abril de 1946 o Lockheed Constellation (PP-PCF) "Bandeirante Manuel de Borba Gato" inaugurou a primeira rota da Panair do Brasil para Europa. Ele foi o primeiro avião internacional a pousar no recém inaugurado aeroporto britânico ao final da rota Rio de Janeiro - Recife - Dakar - Lisboa - Paris - Londres. Em 1948 a frequência dos voos entre Brasil e Europa era de quatro por semana, em ambos os sentidos. No período de dezembro a março a frequência era reduzida para três, devido a menor demanda.
E em 26 de março de 1948 a Panair inaugurou voos para Buenos Aires e Montevidéu, com três frequências por semana.
Com os Constellatons, a Panair também expandiu sua malha para Roma, Cairo, Istambul, Hamburgo, Dusseldorf, Zurich e Frankfurt.

Total de Aeronaves Operadas: 14
Passageiros: 43

Matricula Modelo Origem Destino

PP-PCB

L.049-46-26

Pan Am

desmontado

PP-PCF

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PCG

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PCR

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PDA

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PDC

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PDD

L.049-46-26

Pan Am

desmontado

PP-PDE

L.049-46-26

Pan Am

destruído

PP-PDF

L.149-46-26

Pan Am

desmontado

PP-PDG

L.149-46-26

Pan Am

  Arruda

PP-PDH

L.149-46-26

Pan Am

desmontado

PP-PDI

L.149-46-26

Pan Am

desmontado

PP-PDJ

L.149-46-26

Pan Am

destruído

PP-PDK

L.149-46-26

Pan Am

Pan Am

PP-PDP

L.049-46-27

AeroMexico

desmontado

PP-PDQ

L.149-46-26

AeroMexico

desmontado

 

Consolidated Catalina PBY5A
1948-1965

Os Catalinas eram usados para operar em rotas remotas na floresta Amazônica. Eles eram a única opção para a população dessas regiões receberam remédios e serem socorridas. Com o fechamento da Panair, os Calatlina foram repassados pra a Cruzeiro, que operou as rotas por mais alguns anos.

Total de Aeronaves Operadas: 8
Passageiros: 18


 

Douglas DC-6                      Douglas DC-7
1959-1961                                                     1957-1965

Os DC-6 e DC-7 foram escolhidos para substituir os Constellations. Os DC-6 vieram da Lóide Aéreo e depois foram repassados para a Vasp. Os DC-7 passaram a ser a maior aeronave da frota até a chegada os DC-8.
O primeiro DC-7 chegou em 5 de abril de 1957 e, junto com outros três, iniciaram as operações nos voos internacionais para Europa e Oriente Médio. O DC-7 também operou nas rotas sul americanas para Buenos Aires e Lima. A Panair do Brasil foi a companhia que operou a rota mais longa com um DC-7C; a rota partia de Buenos Aires, passava por Montevidéu, São Paulo, Rio de Janeiro, Dakar, Roma, Zurique, Frankfurt e Dusserdorf, chegando em Hamburgo dois dias depois. E ainda por cima, o DC-7 decolava no mesmo dia para fazer o voo de volta ao Brasil.
Com a chegada do DC-8, os DC-7 foram remanejados para o "Vôo da Amizade" que ligava o Brasil à Portugal. Nessa rota, os DC-7 realizaram a primeira rota entre Recife e Lisboa sem escalas.
O último voo do DC-7 na Panair aconteceu em 7 de fevereiro de 1965, na rota entre o Rio de Janeiro e Lisboa. Três dias depois, o governo suspendeu as operações da companhia.

 Total de Aeronaves Operadas: 4 (DC6) / 6 (DC7)
 

Matricula Modelo Origem Destino

PP-PDL

DC-7C

 

destruído

PP-PDM

DC-7C

Pan Am

destruído

PP-PDN

DC-7C

 

desmontado

PP-PDO

DC-7C

Douglas

destruído

PP-PEG

DC-7C

Pan Am Pan Am

PP-PEH

DC-7C

Pan Am Pan Am

PP-LFA

DC-6A/C

Loide

Loide

PP-LFB

DC-6A/C

Loide

Loide

PP-LFC

DC-6A/C

Loide

Loide

PP-LFD

DC-6A/C

Loide

Loide

 

Douglas DC-8-33
1961-1965


Mel Lawrence

O DC-8 foi o primeiro jato da Panair do Brasil. Com a chegada dos Caravelle e Boeing 707 na Varig, a Panair "correu atrás do prejuízo" para também entrar na era à jato. O primeiro acidente com um jato no Brasil ocorreu com um dos DC-8 da Panair, que caiu na Baia de Guanabara após decolar no Galeão. Com o fechamento da Panair, os DC-8 foram repassados para a Varig.

 Total de Aeronaves Operadas: 4
Comprimento: 45,87 m
Envergadura: 43,41 m
Altura: 13,21 m
Motor:
4x Pratt & Whitney JT4A-12
Velocidade de cruzeiro:
965 km/h
Passageiros:
121

Prefixo

Modelo

Origem

Destino

PP-PDS

DC-8-33

Pan Am

  Varig

PP-PDT

DC-8-33

Pan Am

destruído

PP-PEA

DC-8-33

Pan Am

  Varig

PP-PEF

DC-8-33

Pan Am

  Pan Am

 

Caravelle VI
1962-1965

A Panair havia encomendado aeronaves De Havilland Comet, mas devido aos acidentes, acabou cancelando. Então a companhia se voltou para outras alternativas. Uma delas foi o francês Sud Caravelle, que junto com o DC-8, foram os jatos operados pela Panair. Uma vantagem de ter comprado os Caravelle foi que a Panair ganhou o direito de ser uma das primeiras companhias a receber o Super Caravelle, que depois virou o Concorde. Porém, assim como a Varig, a companhia percebeu que o Caravelle não era tão adequado para o Brasil e pretendia substituir as aeronaves por Lockheed Electra II. No entanto a Panair faliu antes de receber o Concorde ou substituir seus Caravelle.

 Total de Aeronaves Operadas: 4
Comprimento: 31,01 m
Envergadura:
34,3 m
Altura:
8,72 m
Motores/Empuxo: 2
x Rolls-Royce RA-29 Mk
Velocidade máxima:
845 km/h
Passageiros: 79

Prefixo Modelo Origem Destino

PP-PDU

Caravelle 6R

Caravelle

destruído

PP-PDV

Caravelle 6R

Caravelle

  Cruzeiro

PP-PDX

Caravelle 6R

Caravelle

  Cruzeiro

PP-PDZ

Caravelle 6R

Caravelle

  Cruzeiro


 

> Histórico de encomendas:

  • 4x Caravelle 6R em 16/10/1961

  • 2x Douglas DC-8-33 em fevereiro de 1956

  • 4x Douglas DC-7C em 1956

  • 4x De Havilland Comet 2 em 20/03/1953. Encomenda cancelada.

 

Aviação Comercial